ipca
0,48 Set.2018
selic
6,5 19.Set.2018
Topo

Temer cancela viagem a países asiáticos em meio a investigações da PF

30/04/2018 08h10

BRASÍLIA (Reuters) - O presidente Michel Temer desistiu da viagem que faria no início de maio a quatro países asiáticos, e permanecerá no Brasil enquanto é alvo de investigação da Polícia Federal por suspeita de recebimento de propina no chamado inquérito dos portos.

Temer visitaria Cingapura, Tailândia, Indonésia e Vietnã de 7 a 14 de maio.

Em nota, divulgada na manhã desta segunda-feira, o Palácio do Planalto negou que o cancelamento do tour asiático tenha relação com as investigações de que Temer é alvo.

"O adiamento da viagem do presidente Michel Temer à Ásia se deu unicamente porque, tendo em vista o calendário eleitoral, a ausência do chefe de governo do país, neste momento, obrigaria os presidentes da Câmara e do Senado a também deixarem o território nacional simultaneamente, prejudicando votações importantes ao país", disse o Planalto.

"O inquérito que inclui acusações contra o presidente tem 150 dias e pedido de prorrogação de mais 60, não sendo causa urgente que justifique mudança de agenda. Somente pessoas desinformadas sobre tal circunstância espalhariam versão tão inverossímil", acrescentou.

De acordo com o Palácio do Planalto, o presidente decidiu cancelar a viagem à Ásia para acompanhar a votação de proposta no Congresso que remanejará recursos do Orçamento da União para cobrir a inadimplência da Venezuela e de Moçambique em operações nas quais o Brasil é o garantidor de crédito. [nL1N1S31HK]

Se Temer deixasse o país, os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Eunício Oliveira (MDB-CE), teriam de se licenciar do cargo ou também sair do país devido a regras eleitorais, o que prejudicaria a tramitação da proposta orçamentária.

O ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun, também disse à Reuters que a razão do cancelamento seriam as votações no Congresso e a necessidade de Maia e Eunício saírem do país também.

A decisão de cancelar a viagem foi tomada após a Polícia Federal ter solicitado ao ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), a prorrogação por 60 dias do inquérito dos portos, que investiga se Temer cometeu crimes na edição de um decreto ano passado que mudou regras portuárias.

Além disso, a Polícia Federal marcou para a semana que vem, em que o presidente estaria fora, o depoimento de sua filha Maristela Temer, que, segundo denúncias, teria tido uma reforma na sua casa paga por João Baptista Lima Filho, amigo do presidente.

Temer é investigado nesse inquérito sob suspeita de ter recebido propina, por meio do então assessor especial, Rodrigo Rocha Loures, para editar um decreto que beneficiou a empresa Rodrimar em alterações legais para a área portuária.

Na semana passada, Temer afirmou, em um firme pronunciamento, ser alvo de uma "perseguição criminosa disfarçada de investigação", e disse que, se pensam "ilusoriamente" que irão derrubá-lo, não vão conseguir. [nL1N1S42HD]

Está é a segunda vez que Temer cancela a viagem à Ásia. A primeira visita estava marcada para o início de janeiro, mas foi cancelada por recomendação médica. Temer havia passado pouco tempo antes por uma intervenção cirúrgica para desobstrução da uretra.

(Por Lisandra Paraguassu)

Newsletters

Receba dicas para investir e fazer o seu dinheiro render.

Quero receber

Mais Economia