PUBLICIDADE
IPCA
0,64 Set.2020
Topo

Equinor vê produção de petróleo em alta no Brasil e mira geração renovável

27/08/2018 11h16

(Reuters) - A petroleira norueguesa Equinor avalia que, a depender do sucesso de suas atividades de exploração no Brasil, poderá alcançar uma produção de 300 mil a 500 mil barris de óleo equivalente (boe) por dia em 2030, disse nesta segunda-feira um executivo da empresa, que também destacou um apetite por negócios de energia limpa no país.

A companhia planeja perfurar até cinco poços de exploração de petróleo de alto impacto no Brasil nos próximos anos e prevê que produção no campo de Carcará poderá continuar para além de 2050, de acordo com Anders Opedal, vice-presidente executivo de desenvolvimento e produção no Brasil.

Ele afirmou ainda que a companhia está interessada em ampliar investimentos em geração de energia renovável em suas operações no país latino-americano.

"Nós vamos crescer em solar, e espero que tenhamos algumas oportunidades em (energia) eólica", disse Opedal, ao participar de uma conferência do setor de petróleo na Noruega.

A Equinor anunciou no final de 2017 uma parceria com a também norueguesa Scatec Solar para investir em projetos de energia fotovoltaica no Brasil. Na ocasião, a petroleira fechou ainda a compra de uma fatia em um projeto solar de 162 megawatts na Bahia na qual a Scatec já era acionista majoritária.

O movimento da norueguesa acontece em meio à movimentação de outras gigantes do petróleo no setor de energia elétrica do Brasil.

A francesa Total anunciou em julho um memorando de entendimento com a estatal brasileira Petrobras pelo qual ambas avaliarão em conjunto possíveis investimentos em geração eólica e solar no país.

Já a anglo-holandesa Shell disse na última semana que também pretende ampliar aportes em geração renovável no Brasil, o que pode incluir a participação em um leilão do governo neste mês, com projetos eólicos, bem como ofertas em uma licitação em que a estatal Eletrobras pretende vender fatias em parques eólicos, em setembro.

(Por Nerijus Adomaitis)