Topo

Walmart pede que funcionários retirem cartazes de "videogames violentos" de suas lojas

Walmart afirmou não mexer em sua política de venda de armas, mas vai retirar cartazes de jogos "violentos" - Saul Loeb/AFP
Walmart afirmou não mexer em sua política de venda de armas, mas vai retirar cartazes de jogos "violentos" Imagem: Saul Loeb/AFP

Do UOL, em São Paulo

12/08/2019 13h46

O Walmart disse nesta sexta-feira que pediu aos funcionários em suas lojas em todo os Estados Unidos para retirar cartazes e demos de jogos de videogame violentos, mas não fez alterações à sua política sobre a venda de armas de fogo.

O varejista disse que agiu após os massacres em Texas e Ohio na semana passada, que deixou 31 pessoas mortas.

Em um memorando interno, a empresa pediu que os funcionários verificassem suas lojas em busca de cartazes que contivessem comportamento violento ou agressivo e removessem tais itens imediatamente.

A empresa está sob crescente pressão para agir nos últimos dias. Uma petição iniciada por um funcionário júnior de um Walmart na Califórnia para protestar contra a venda de armas de fogo pelo varejista reuniu mais de 50 mil assinaturas nesta sexta-feira.

O Walmart disse à Reuters que não houve mudanças em sua política de venda de armas após os recentes tiroteios em massa, um dos quais ocorreu em uma loja do Walmart.

Anos de pressão pública levaram o Walmart, maior varejista de armas dos EUA, a acabar com as vendas de fuzis de assalto em 2015 e a elevar a idade mínima para a compra de armas para 21 em 2018.

Alguns ativistas de controle de armas e clientes do Walmart agora querem que o varejista diminua as vendas de armas e munição.

Mais Economia