IPCA
-0.04 Set.2019
Topo

GM repassa a sindicato custo de seguro de saúde de grevistas; negociações continuam

17/09/2019 16h28

Por Bryan Woolston

BOWLING GREEN, Estados Unidos. (Reuters) - A General Motors transferiu os custos de seguro de saúde de seus trabalhadores em greve para o sindicato United Auto Workers (UAW), enquanto seus membros faziam piquete pelo segundo dia nesta terça-feira, no Estados Unidos.

O UAW começou na segunda-feira a primeira greve em toda a empresa na GM em 12 anos, dizendo que as negociações para um novo acordo nacional cobrindo cerca de 48.000 trabalhadores por hora atingiram um impasse.

Já era esperado que as negociações deste ano entre o sindicato e a GM, a Ford Motor e a Fiat Chrysler Automobiles NV (FCA) fossem difíceis, com questões espinhosas, como custos com saúde, participação nos lucros e uso de trabalhadores temporários.

As negociações entre a GM e o sindicato foram retomadas na manhã desta terça-feira.

Os trabalhadores nos piquete do lado de fora das fábricas da GM acenavam placas declarando "UAW On Strike". Em Bowling Green, Kentucky, eles bloquearam as três entradas da fábrica de montagem, que normalmente constrói o Chevrolet Corvette.

Salina Alexander, que trabalha na oficina de pintura da fábrica de Kentucky, disse que a greve é ​​sobre a GM compartilhar alguns de seus lucros com funcionários representados por sindicatos que ajudaram a resgatar a montadora durante sua falência. "Ficamos lá com eles. Eles podem nos devolver algo."

Enquanto isso, a GM disse que a cobertura do seguro de saúde dos trabalhadores em greve passou para o sindicato, que tentou, sem sucesso, fazer com que a montadora número 1 nos EUA cobrisse esses custos até o final do mês. Isso coloca outro dreno no fundo de greve do sindicato.

"Entendemos que as greves são difíceis e perturbadoras para as famílias", disse o porta-voz da GM Jim Cain em um email. "Enquanto em greve, alguns benefícios passam a ser financiados pelo fundo de greve do sindicato e, nesse caso, os funcionários por hora são elegíveis ao COBRA pago pelo sindicato, para que seus benefícios de saúde possam continuar".

A GM disse no passado que gasta anualmente cerca de 1 bilhão de dólares por ano em cobertura de saúde para seus trabalhadores horistas, sugerindo que o custo mensal por trabalhador está na faixa de 1.700 a 2.000 dólares. O UAW disse em seu site que seu fundo de greve cobre certos benefícios, como remédios e medicamentos prescritos, mas não odontológicos, de visão e audição.

Um porta-voz do UAW não fez comentários imediatos, mas Terry Dittes, vice-presidente encarregado do departamento GM do sindicato, em uma carta aos líderes sindicais na terça-feira, disse que o UAW revisaria suas opções legais em relação à decisão da GM.

Durante a paralisação, os membros do UAW também recebem 250 dólares por semana do fundo de greve do sindicato.

Em comunicado divulgado no domingo, a GM apresentou sua oferta ao sindicato, dizendo que o pacote incluía planos para as montadoras de Michigan e Ohio que atualmente não possuem produtos, 7 bilhões de dólares em investimentos nos EUA e um bônus de assinatura de 8.000 dólares por trabalhador. A GM também disse que o sindicato manteria os benefícios de saúde "líderes nacionais".

(Por Bryan Woolston em Bowling Green, com reportagem adicional de Ben Klayman em Detroit)

Mais Economia