PUBLICIDADE
IPCA
0,86 Out.2020
Topo

Atividade econômica do Chile recua 3,3% em novembro com queda da mineração

Pablo Sanhueza
Imagem: Pablo Sanhueza

02/01/2020 11h14

SANTIAGO (Reuters) - A atividade econômica do Chile contraiu 3,3% em novembro, informou o banco central nesta quinta-feira, puxada pelo declínio na atividade mineradora, com o impacto de quase dois meses de protestos começando a ser sentido no principal produtor de cobre do mundo.

O índice de atividade econômica IMACEC abrange cerca de 90% da economia que o Produto Interno Bruto cobre.

Os protestos têm abalado o Chile há dois meses, deixando 26 mortos até agora e causando bilhões em perdas para empresas privadas e para a infraestrutura pública. Manifestações, tumultos e saques às vezes violentos levaram o banco central a reduzir as previsões de crescimento, investimento e demanda para 2020.

O ministro das Finanças do Chile, Ignacio Briones, disse que as más notícias eram amplamente esperadas, mas são um mau presságio para os próximos meses.

"Os IMACECs de outubro e novembro estão entre os piores desde a crise do subprime", disse Briones. "Em 2020 esperamos um ano de crescimento baixo."

A atividade de mineração medida em termos do PIB caiu 5,1% em novembro, disse o banco, entre os primeiros sinais de que os protestos afetaram o principal motor econômico do país.

Suas vastas minas de cobre --o país produz quase um terço do cobre do mundo-- tinham em grande parte mantido a produção e operado normalmente até o início de novembro, no auge da agitação social, embora alguns mineiros tivessem advertido que protestos, greves e bloqueios de estradas estavam prejudicando o setor.

A atividade fora do setor de mineração caiu 3,1%, disse o BC chileno, liderada pela queda tanto nos serviços quando no comércio. O banco destacou o recuo acentuado no transporte e no turismo.

(Por Dave Sherwood)