PUBLICIDADE
IPCA
0,64 Set.2020
Topo

Movimentos adiam manifestação pró-Bolsonaro devido ao coronavírus

13/03/2020 08h40

(Reuters) - Grupos de apoio ao presidente Jair Bolsonaro que haviam convocado manifestações pró-governo no domingo por todo o Brasil decidiram adiar os protestos em razão da pandemia de coronavírus, após Bolsonaro ter afirmado que os atos deveriam ser repensados para não colocar a saúde da população em risco.

"Em virtude da solicitação do presidente da República, Jair Messias Bolsonaro, em sua live há poucos minutos, nós do Movimento NasRuas iremos adiar nacionalmente nossa participação na manifestação que ocorreria no próxima dia 15/03/2020", disse o grupo NasRuas, um dos organizadores do ato, em comunicado publicado em sua página no Facebook.

O Movimento Avança Brasil, que também havia convocado apoiadores de Bolsonaro para o protesto no domingo, disse em sua conta no Twitter que a manifestação foi adiada "atendendo a pedido do sr. presidente e do sr. ministro da Saúde". O grupo citou o agravamento da pandemia de coronavírus no mundo e no Brasil.

A decisão dos movimentos de adiar a manifestação --que tinha entre seus motes protestos contra o Congresso e o Judiciário--ocorreu após Bolsonaro elogiar os atos em um pronunciamento em rede nacional, mas alertar que precisavam ser repensados para não colocar a saúde da população em risco por conta do coronavírus.

"Queremos um povo atuante e zeloso com a coisa pública, mas jamais podemos colocar em risco a saúde da nossa gente. Os movimentos espontâneos e legítimos marcados para o dia 15 de março atendem aos interesses da nação... Precisam, no entanto, diante dos fatos recentes, ser repensados. Nossa saúde e de nossos familiares devem ser preservados", argumentou.

Pouco antes, em transmissão ao vivo no Facebook em que usou uma máscara de proteção depois quem um membro de sua comitiva presidencial em recente viagem para os Estados Unidos foi confirmado com o novo coronavírus, Bolsonaro já havia sugerido adiar os atos.

“O que eu vejo nesse movimento do dia 15, que daqui a pouco estarei em rede falando sobre ele: o que devemos fazer agora é evitar que haja uma explosão de pessoas infectadas porque os hospitais não dariam vazão a atender tanta gente”, afirmou Bolsonaro ao lado do ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, que também usava máscara.

Bolsonaro foi testado para coronavírus na quinta-feira, depois que o secretário de Comunicação da Presidência, Fábio Wajngarten, que o acompanhou em viagem oficial aos Estados Unidos, teve confirmada infecção pela doença. O resultado do exame do presidente deve sair nesta sexta-feira.

(Por Pedro Fonseca, no Rio de Janeiro)