PUBLICIDADE
IPCA
+0,53 Jun.2021
Topo

Dados de outubro sinalizam 4º trimestre de crescimento elevado, diz Ministério da Economia

11/12/2020 12h24

Por Isabel Versiani

BRASÍLIA (Reuters) - Os indicadores de atividade econômica do IBGE para outubro indicam um crescimento elevado para o quarto trimestre do ano, avaliou a Secretaria de Política Econômica (SPE) do Ministério da Economia nesta sexta-feira, reiterando expectativa de que o país terá um primeiro semestre de 2021 favorável, podendo prescindir do auxílio emergencial do governo.

Em nota, a SPE destacou que o desempenho positivo da indústria, comércio e serviços em outubro se deu a despeito da redução do valor do auxílio emergencial no período, o que indicaria que a economia está voltando à normalidade.

"Os indicadores coincidentes sugerem manutenção da trajetória de crescimento para o mês de novembro, reforçando as projeções apresentadas anteriormente pela SPE", disse a secretaria, citando dados da produção de veículos, vendas no comércio em São Paulo e fluxo de rodovias pedagiadas.

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) informou nesta manhã que o setor de serviços, o mais afetado pelas medidas de distanciamento social adotadas no enfrentamento à pandemia da Covid-19, teve alta de 1,7% em outubro sobre setembro --taxa mais elevada para o mês desde pelo menos 2011, início da série do IBGE, e acima do esperado por analistas.

A indústria cresceu 1,1% em outubro sobre o mês anterior e já está acima do patamar de fevereiro, antes do agravamento da pandemia, enquanto o comércio teve alta de 0,9%, contrariando expectativas de recuo.

Para a SPE, o carregamento estatístico aponta um crescimento médio de 3,5% para esses três indicadores do IBGE no quarto trimestre.

"Estes fortes resultados da atividade econômica para outubro, mesmo com a redução do valor do auxílio emergencial, indicam que a economia está voltando à normalidade, sinalizando que o crescimento continuará avançando no primeiro semestre de 2021 sem a necessidade de auxílios governamentais", disse a SPE.

O auxílio emergencial foi aprovado pelo Congresso em meio à pandemia com valor inicial de 600 reais e posteriormente foi prorrogado pelo governo até dezembro, com o valor de 300 reais.

O governo tem reforçado que a ajuda não poderá ser prorrogada indefinidamente, mas o ministro Paulo Guedes (Economia) já disse que, no caso de uma segunda onda da pandemia, terá que responder com mais auxílio, ainda que este não seja o "plano A" da equipe econômica.