PUBLICIDADE
IPCA
0,87 Ago.2021
Topo

Dólar avança contra real antes de decisões de juros nos EUA e Brasil

17/03/2021 09h13

Por Luana Maria Benedito

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar trabalhava com ganhos acentuados frente ao real nesta quarta-feira, em dia marcado por cautela dos investidores antes das decisões de política monetária do Banco Central do Brasil e do Federal Reserve.

Nesta quarta-feira, ao final de uma reunião de dois dias, o Comitê de Política Monetária (Copom) do BC deve aumentar os juros pela primeira vez em quase seis anos, provavelmente a primeira de várias altas para enfrentar a aceleração da inflação, o aprofundamento da incerteza fiscal e uma taxa de câmbio fraca, mostrou uma pesquisa da Reuters.

O aumento deve ser de 50 pontos-base, a 2,5% ao ano, com os riscos inclinados para uma elevação de 75 pontos.

"O Banco Central encara uma situação desafiadora", escreveram analistas da Genial Investimentos em nota matinal.

"O recrudescimento da pandemia ameaça o retorno da atividade econômica e o alto desemprego é um fator de baixa para os núcleos da inflação ao longo deste e do próximo ano. No entanto, o balanço de riscos se deteriorou desde a última reunião do Copom. Houve elevação das expectativas de inflação, depreciação cambial e risco de aperto nas condições financeiras globais devido à elevação dos juros longos norte-americanos."

Os rendimentos dos Treasuries de dez anos subiram para uma nova máxima em 13 meses nesta quarta-feira, de 1,646%, o que chamava a atenção antes da decisão de juros do Fed, que será anunciada mais tarde.

As expectativas de que o amplo estímulo fiscal dos Estados Unidos impulsionará o crescimento econômico e causará uma recuperação da inflação têm elevado os rendimentos dos títulos do governo nas últimas semanas, deixando os investidores atentos a qualquer sinalização do Fed sobre um aperto da política monetária antes do esperado.

Ainda assim, no encontro que se encerra hoje, o banco central norte-americano deve manter sua taxa de juros, além de fornecer um panorama otimista da economia dos EUA.

"No comunicado que acompanha a decisão, esperamos que o (Fed) reconheça que os dados econômicos estão melhores do que o esperado e que níveis expressivos de estímulo fiscal que estão sendo adotados devem ajudar a acelerar ainda mais a demanda doméstica em 2021", disse em nota a XP Investimentos. "Ao mesmo tempo, o Fed deve sinalizar que a economia ainda precisa de um tempo longo com estímulos monetários elevados."

Às 10:05, o dólar avançava 0,93%, a 5,6686 reais na venda, enquanto o contrato mais líquido de dólar futuro tinha alta de 0,68%, a 5,665 reais.

Esse comportamento estava em linha com a força apresentada pelo dólar ante outras divisas de países emergentes, como peso mexicano, lira turca, rand sul-africano e peso chileno. O índice do dólar contra uma cesta de moedas fortes operava entre estabilidade e leve alta.

Na véspera, o dólar negociado no mercado interbancário teve queda de 0,38%, a 5,6166 reais na venda.

O Banco Central fará nesta sessão leilão de swap tradicional para rolagem de até 16 mil contratos com vencimento em dezembro de 2021 e abril de 2022.

PUBLICIDADE