PUBLICIDADE
IPCA
0,47 Mai.2022
Topo

Preços do petróleo caem com foco em suspensão da Rússia de acordo da Opep

A Rússia é atualmente um dos maiores produtores de petróleo do mundo, e conflito envolvendo a Ucrânia afeta de forma significativa o mercado - GETTY IMAGES
A Rússia é atualmente um dos maiores produtores de petróleo do mundo, e conflito envolvendo a Ucrânia afeta de forma significativa o mercado Imagem: GETTY IMAGES

reuters

31/05/2022 18h32Atualizada em 31/05/2022 18h56

Por Arathy Somasekhar

HOUSTON (Reuters) - Os preços do petróleo passaram a cair nesta terça-feira após uma reportagem de que alguns produtores estavam explorando a ideia de suspender a participação da Rússia no acordo de produção da Opep+.

Embora não tenha havido pressão formal para a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) bombear mais petróleo para compensar qualquer potencial déficit russo, alguns membros do Golfo começaram a planejar um aumento da produção em algum momento nos próximos meses, informou o Wall Street Journal, citando delegados da Opep.

Os futuros do Brent para agosto, o contrato mais ativo, fecharam em queda de 2 dólares, ou 1,7%, a 115,60 dólares o barril, após avançar para 120,80 dólares no dia anterior. O primeiro contrato, para julho, que expirou nesta terça-feira, fechou em alta de 1,17 dólares, ou 1%, a 122,84 dólares.

O petróleo dos EUA (WTI) fechou em 114,67 dólares o barril, queda de 0,40 dólar, ou 0,4%, do fechamento de sexta-feira. Mais cedo na sessão, a commodity tocou 119,98 dólares, a máxima desde 9 de março.

Não houve fechamento do WTI na segunda-feira devido a um feriado dos Estados Unidos.

"A suspensão da Rússia da Opep pode ser um precursor para a Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos utilizarem sua capacidade de produção sobressalente, porque eles sentiriam que não têm mais um acordo de cota de produção que precisa reconhecer o interesse da Rússia?, disse Andrew Lipow da Lipow Oil Associates em Houston.

Apesar da reversão tardia na direção da sessão, ambos os benchmarks encerraram maio em alta, marcando o sexto mês consecutivo de ganhos. Ambos subiram mais de 70% no período.

(Reportagem adicional de Shadia Nasralla em Londres e Jeslyn Lerh)