IPCA
0,42 Fev.2024
Topo

UBS busca convencer investidores de que compra emergencial do Credit Suisse pode compensar

05/04/2023 09h07

Por Noele Illien

BASILEIA (Reuters) - Os executivos do UBS tentaram nesta quarta-feira convencer os investidores de que o maior banco da Suíça pode fazer a aquisição forçada do rival Credit Suisse funcionar e compensar seus acionistas.

Ao descrever o maior resgate bancário desde a crise financeira global de 2008 como um marco para a indústria e um grande desafio para o banco, o presidente Colm Kelleher disse aos acionistas do UBS que também significa "um novo começo e grandes oportunidades à frente para o banco combinado e para o centro financeiro suíço como um todo”.

No mês passado, as autoridades suíças anunciaram a compra do Credit Suisse pelo UBS em uma fusão forçada para conter mais turbulências no setor depois que o banco suíço chegou à beira do colapso.

Depois de uma corrida aos depósitos do banco, o governo suíço recorreu ao UBS, que comprou o Credit Suisse por 3 bilhões de francos suíços (3,3 bilhões de dólares), enquanto o país ofereceu mais de 200 bilhões de francos em apoio e garantias.

Kelleher disse no encontro de acionistas do banco na Basileia que o UBS está confiante em sua capacidade de administrar com sucesso a integração do Credit Suisse e que o banco combinado permanecerá bem capitalizado.

"Acreditamos que a transação é financeiramente atraente para os acionistas do UBS", disse ele.

O resgate organizado às pressas não apenas irritou e incomodou os acionistas de ambos os bancos, mas também muitos na Suíça.

Uma pesquisa da gfs.bern identificou que a maioria dos suíços não apoia o acordo que criará uma instituição financeira com ativos com o dobro do tamanho da produção econômica anual do país.

Como os acionistas expressaram sua frustração por serem mantidos no escuro, com um chamando isso de "um insulto", alguns também expressaram preocupação com possíveis perdas de empregos e o impacto adverso do novo banco gigante na concorrência.

O vice-presidente Lukas Gaehwiler procurou acalmar tais temores dizendo que havia cerca de 250 bancos no país e, portanto, concorrência suficiente. Ele também disse que é muito cedo para especular sobre empregos antes da conclusão da fusão, o que espera que aconteça dentro de alguns meses.

(Por Noele Illien)