IPCA
0,42 Fev.2024
Topo

Taurus deve elevar fatia de armas exportadas com regras mais rígidas no Brasil

Arma da Taurus, em filial da empresa, em São Leopoldo, no Rio Grande do Sul - 15.jan.2019 - Diego Vara/Reuters
Arma da Taurus, em filial da empresa, em São Leopoldo, no Rio Grande do Sul Imagem: 15.jan.2019 - Diego Vara/Reuters

Rodrigo Viga Gaier

No Rio

13/04/2023 17h04Atualizada em 13/04/2023 18h36

A Taurus deve aumentar a quota de exportação das armas que fabrica no Brasil para 85% a 90% neste ano, afirmou o presidente da companhia, Salésio Nuhs, citando medidas mais rígidas no país recentemente para aquisição de armas e munições.

Nos últimos anos, segundo o executivo, 80% da produção da empresa no Brasil tinha como destino o mercado externo, mas mudanças, como decreto assinado pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva no começo do ano, impuseram uma "nova realidade".

Ele acrescentou que os Estados Unidos, onde a empresa também tem uma unidade industrial, devem continuar sendo o principal mercado no exterior da companhia, entre os cerca de 100 países com quem tem negócios.

No primeiro dia do ano, Lula assinou medida para reorganizar a política de controle de armas, flexibilizada pela gestão de Jair Bolsonaro, condicionando a autorização de porte à comprovação de necessidade, entre outras mudanças.

À espera da regulamentação das novas regras, Nuhs afirmou que os planos de investimentos estão em modo de espera. Em março, a companhia obteve 175,7 milhões de reais com a Finep, vinculada ao Ministério do da Ciência, Tecnologia e Inovação, para ampliar desenvolvimento em novos produtos, processos, e novos materiais

"Dependendo...é possível que a gente faça investimentos nos EUA ou na Índia em detrimento do Brasil. Ou então vamos postergar", afirmou o executivo à Reuters nesta quinta-feira na feira de defesa e segurança LAAD, no Rio de Janeiro.

"Temos que investir sabendo o que o futuro nos reserva, enquanto isso nossos investimentos estão congelados." Em 2022, a companhia investiu 213,9 milhões de reais, sendo 71% do total na modernização e ampliação do parque fabril.

Segundo o presidente da Taurus, a demora na definição de regras tem sido "trágica" para a cadeia de armas no país, com o fechamento de lojas especializadas e estandes de tiros no país, bem como demissão de milhares de pessoas.

"Você está criando um problema de desemprego, de redução de arrecadação e tem problemas até para o esporte brasileiro."

Ele defendeu a criação de uma agência reguladora do setor no Brasil. "Temos que criar uma agência nacional de controle de armas para acabar com essa polarização. A cada quatro anos e novo governo, rediscutimos o setor. É um absurdo isso" afirmou.