IPCA
0,42 Mar.2024
Topo

ANÁLISE-Bancos centrais ainda não escreveram ato final contra inflação em meio a riscos

17/04/2023 09h47

Por Howard Schneider e Balazs Koranyi

WASHINGTON (Reuters) - Importantes bancos centrais podem estar empenhados em aumentar as taxas de juros na esperança de conter a inflação, mas o final desta história continua longe de ser claro, já que os aumentos de preços se mostram mais difíceis de desacelerar do que o esperado, e analistas alertam que os mercados financeiros ainda podem ser abalados ao longo do caminho.

O Federal Reserve dos Estados Unidos, o Banco Central Europeu e o Banco da Inglaterra ainda estão aumentando as taxas, e os formuladores de políticas estão abertos sobre a enorme incerteza em torno de suas projeções e o risco que eles podem correr de fazer mais do que o esperado.

Mas todos também estão se aproximando de uma taxa de juros de pico para esta rodada de aperto da política monetária, mantendo-se firmes nas projeções de que a inflação vai desacelerar de forma constante nos próximos um ou dois anos sem um grande golpe para a atividade econômica.

Essa visão recebeu uma resposta cética dos principais formuladores de políticas globais e analistas que veem um mundo onde a escassez persistente de mão de obra, rupturas na oferta global e mercados financeiros instáveis podem forçar uma escolha entre inflação mais alta e duradoura ou uma recessão profunda para consertar isto.

Na economia global mais fragmentada emergindo da pandemia de Covid-19, "seremos atingidos por mais choques de oferta, e a política monetária enfrenta compromissos muito mais sérios", disse a vice-diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional, Gita Gopinath, em um fórum durante as reuniões de primavera do FMI e do Banco Mundial em Washington na semana passada.

Seus comentários foram repetidos por outros que sentem que a narrativa compartilhada pelos três principais bancos centrais de uma desinflação relativamente sem custos repousa em terreno instável.

Está certamente fora de sintonia com o passado. Gopinath observou que não há "precedente histórico" para que a alta inflação seja reprimida sem aumentar o desemprego.

DESACELERAÇÃO OU RECESSÃO?

Além disso, o argumento de que desta vez será diferente baseia-se na esperança de que a inflação no mundo pós-pandemia se comporte da mesma forma que antes - morna, em outras palavras, ancorada mais abaixo do que acima e com pouca necessidade de uma produção abaixo da média ou aumento do desemprego para controlá-la.

É uma visão que, embora evite a palavra, ainda considera o atual surto de inflação como pelo menos um tanto transitória, o produto do reajuste em andamento ao choque da pandemia que ocorre uma vez em um século e da pressão adicional sobre os preços das commodities após a invasão da Ucrânia pela Rússia.

As taxas de juros estão sendo elevadas para conter a demanda o suficiente para aliviar as pressões de preços e manter as expectativas de inflação pública sob controle à medida que essas distorções passam e as tendências de inflação anteriores ressurgem.

A perspectiva de queda da inflação ao lado de um retorno gradual ao estado pré-pandêmico está implícita em como os bancos centrais estão traçando o caminho a seguir.

Entre Fed, BCE e BoE, apenas o banco central britânico projeta que uma recessão será necessária para desacelerar a inflação -- apenas moderada. O BCE espera vencer sua batalha contra a inflação sem alterar a taxa de desemprego. Autoridades do banco central dos EUA projetam um aumento modesto de um ponto percentual na taxa de desemprego este ano, de sua quase histórica mínima de 3,5%, e um crescimento econômico lento, mas contínuo.

Contra essa perspectiva, os formuladores de políticas do Fed indicaram no mês passado que mais um aumento de um quarto de ponto percentual na reunião de 2 e 3 de maio, que elevaria a taxa básica de juros para a faixa de 5,00% a 5,25%, poderia ser o último deste ciclo de aperto.

O BoE e o BCE provavelmente estão mais longe da pausa de aumento de juros, mas uma interrupção do Fed enviaria um sinal poderoso de que a era do aperto sincronizado acabou, com os banqueiros centrais entrando em um padrão de espera para aguardar o impacto nos preços de condições financeiras mais rígidas e economias normalizadas.