IPCA
0,42 Fev.2024
Topo

Inflação desacelera menos que o esperado em março e Reino Unido tem a maior taxa da Europa Ocidental

19/04/2023 08h16

Por Andy Bruce e David Milliken

LONDRES (Reuters) - O Reino Unido era o único país da Europa Ocidental com inflação de dois dígitos em março depois de a taxa desacelerar menos do que o esperado, mostraram dados oficiais nesta quarta-feira, reforçando as apostas de que o Banco da Inglaterra aumentará a taxa de juros novamente em maio.

A inflação dos preços ao consumidor caiu para uma taxa anual de 10,1%, disse o Escritório Nacional de Estatísticas, abaixo dos 10,4% em fevereiro, mas bem acima dos 9,8% previstos por economistas consultados pela Reuters e dos 9,2% projetados pelo banco central em fevereiro.

A inflação, que atingiu um pico em 41 anos de 11,1% em outubro, continua a corroer o poder de compra dos trabalhadores, cujos salários estão subindo menos.

Os preços de alimentos e bebidas não alcoólicas foram 19,1% maiores em março do que no ano anterior - o maior aumento desde agosto de 1977 - o que o escritório de estatísticas disse refletir custos mais altos de biscoitos e bolos e, em menor medida, chocolate e frutas. Leite e açúcar custam cerca de 40% a mais do que há um ano.

A taxa de inflação no Reino Unido é agora a mais elevada da Europa Ocidental e compara-se a uma média de 6,9% na zona euro e 5,0% nos Estados Unidos. A Áustria registrou uma taxa de inflação mais alta do que a do Reino Unido em fevereiro.

A leitura destacou as expectativas de que o Reino Unido sofrerá com a inflação elevada por mais tempo do que seus pares devido à sua dependência do gás natural para aquecimento e eletricidade, e à estrutura de subsídios do governo que suavizou as mudanças de preços.

O Banco da Inglaterra também teme que a inflação alta possa levar a uma mudança ascendente duradoura nas demandas salariais e nas estratégias de preços das empresas, exacerbadas por uma redução pós-pandemia em sua força de trabalho e atritos comerciais e no mercado de trabalho causadas pelo Brexit.

O núcleo da inflação - que exclui os preços voláteis de energia e alimentos - não caiu como esperado e se manteve em 6,2%, enquanto a inflação de serviços - que o banco central vê como uma medida para as pressões de preços domésticos - permaneceu em 6,6%.

"Agora está claro que o Reino Unido tem um problema de inflação pior e mais persistente do que na Europa e nos Estados Unidos", disse Ed Monk, diretor associado de investimentos pessoais da gestora de ativos Fidelity International.

"Os aumentos de preços aqui estão se mostrando mais difíceis de neutralizar e o Banco da Inglaterra quase certamente adicionará pelo menos mais um aumento de 0,25 ponto percentual nos custos de empréstimos."