IPCA
0,42 Mar.2024
Topo

Recuperação da zona do euro ganha ritmo inesperadamente em abril

21/04/2023 13h04

(Reuters) - A recuperação econômica da zona do euro ganhou ritmo inesperadamente neste mês, uma vez que o setor de serviços, dominante no bloco, viu uma demanda já aquecida crescer, mais do que compensando o aprofundamento da desaceleração na manufatura, mostraram pesquisas.

O Índice de Gerentes de Compras Composto (PMI) do HCOB, compilado pela S&P Global e visto como um bom indicador da saúde econômica geral, saltou para uma alta de 11 meses a 54,4 em abril, ante 53,7 em março, mostraram dados nesta sexta-feira.

Isso ficou bem acima da marca de 50 que separa o crescimento da contração e correspondeu à previsão mais alta em uma pesquisa da Reuters, que previu nenhuma mudança em relação a março.

"Os índices de gerentes de compras do HCOB para a zona do euro mostram um quadro geral muito amigável de uma economia que continua a se recuperar", disse Cyrus de la Rubia, economista-chefe do Hamburg Commercial Bank.

"No entanto, um olhar mais atento revela que o crescimento é distribuído de forma muito desigual. Por exemplo, a diferença entre o setor de serviços parcialmente em expansão, por um lado, e o enfraquecimento do setor manufatureiro, por outro, aumentou ainda mais."

Para atender à crescente demanda, as empresas aumentaram o número de funcionários no ritmo mais rápido desde maio passado. O índice de emprego saltou para 54,7 em abril, de 53,3.

O PMI que cobre o setor de serviços subiu para 56,6 neste mês, ante 55,0, contrariando as expectativas da pesquisa da Reuters de uma queda para 54,5.

Apesar do alto custo de vida na região, a demanda por serviços melhorou à medida que os consumidores continuaram gastando. O índice de novos negócios subiu para 55,8, nível mais alto em um ano, ante 54,2.

Mas a história foi diferente para os manufatureiros do bloco, que viram a demanda cair mais rapidamente. O PMI principal do setor caiu para 45,5, ante 47,3, o menor nível desde que a pandemia de coronavírus se consolidou sobre o mundo há três anos.

Um índice que mede a produção, que alimenta o PMI composto e passou dois meses em território positivo, caiu para 48,5, de 50,4.

Ainda assim, melhorias adicionais nas cadeias de suprimentos significaram que o custo das matérias-primas caiu no ritmo mais acentuado em quase três anos, de modo que as fábricas aumentaram apenas marginalmente seus preços. O índice de preços de produção caiu para 51,8, ante 53,4, o menor desde o final de 2020.

(Reportagem de Jonathan Cable)