IPCA
0,42 Fev.2024
Topo

BCs sinalizam fim de turbulência bancária com corte em linha de financiamento em dólar

25/04/2023 08h43

FRANKFURT/LONDRES/TÓQUIO (Reuters) - Os principais bancos centrais do mundo vão reduzir a frequência de suas operações de liquidez em dólar com o Federal Reserve dos Estados Unidos a partir de maio, enviando o sinal mais claro até agora de que a volatilidade do mercado financeiro do mês passado praticamente acabou.

O Fed começou a oferecer dólares em leilões diários a partir do final de março, depois que a quebra do Silicon Valley Bank e a venda do Credit Suisse provocaram nervosismo nos mercados financeiros e aumentaram o risco de escassez de liquidez que poderia ter se transformado em uma crise financeira mais ampla.

Mas os bancos centrais da zona do euro, de Japão, Reino Unido e Suíça agora retornarão aos seus leilões semanais habituais, indicando que o apoio extraordinário não é mais necessário, pois os mercados estão funcionando como pretendido.

Embora houvesse alguma aceitação nos leilões diários nos primeiros dias, especialmente da Suíça, a instalação diária mal era usada e havia pouco ou nenhum interesse na maioria dos dias.

"Esses bancos centrais estão prontos para reajustar a provisão de liquidez em dólares norte-americanos conforme garantido pelas condições do mercado", afirmou o BCE em comunicado.

As linhas de swap são garantias de liquidez para aliviar as tensões nos mercados de financiamento globais e têm sido uma característica permanente da cooperação entre os principais bancos centrais por mais de uma década.

As operações de liquidez em moeda local dos bancos centrais também foram pouco utilizadas no mês passado, sugerindo que a liquidez abundante, parte do sistema bancário na última década, continua mantendo o setor bancário bem lubrificado.

Ainda assim, alguns formuladores de política monetária têm alertado que a volatilidade provavelmente deixará uma marca mais permanente, tornando os bancos mais cautelosos na forma como emprestam, elevando os custos dos empréstimos e apertando os padrões de empréstimo.

Isso poderia reduzir a necessidade de os bancos centrais aumentarem as taxas de juros em sua luta contra a inflação altíssima, conforme os bancos comerciais fazem seu trabalho por eles.

A extensão de tal aperto está longe de ser clara, no entanto, e ainda pode levar semanas, ou até meses, para que as autoridades avaliem o impacto a longo prazo.

Os grandes bancos centrais, com a notável exceção do Banco do Japão, têm aumentado as taxas em ritmo acelerado, com a expectativa de que o Fed e o BCE ajam neste sentido novamente na próxima semana.

(Reportagem de Balazs Koranyi, Leika Kihara e William Schomberg)