Eólica offshore fica de fora de leilão no Reino Unido, colocando metas climáticas em risco

Por Nora Buli

OSLO (Reuters) - Desenvolvedores de energia eólica offshore ficaram de fora do último leilão de energia renovável do Reino Unido nesta sexta-feira, argumentando que o preço oferecido pelo governo não refletia o aumento dos custos do setor, tendência que está prejudicando os projetos eólicos em todo o mundo.

O resultado foi uma má notícia para a meta do Reino Unido de zerar suas emissões líquidas de carbono para 2050, objetivo que exige 50 gigawatts (GW) de capacidade eólica offshore até 2030, contra cerca de 14 GW atualmente.

Em um leilão de 2022, os projetos eólicos offshore foram os principais a conquistarem contratos, com 7 gigawatts (GW) concedidos, mas os desenvolvedores nem sequer fizeram lances no último leilão, cujos resultados foram publicados nesta sexta-feira.

Em um comunicado, o Departamento de Segurança Energética e Net Zero do Reino Unido culpou a ausência de concessões para a energia eólica offshore e flutuante pelo aumento global da inflação e pelo impacto nas cadeias de suprimentos.

O setor tem registrado enormes altas de custos, levando os desenvolvedores de todo o mundo a abandonar os projetos ou a tentar renegociá-los. Na semana passada, a Orsted, importante desenvolvedora de eólica offshore, anunciou grandes perdas em projetos nos Estados Unidos.

Os fabricantes de turbinas também estão enfrentando problemas de qualidade à medida que aumentam a escala da tecnologia, o que tem afetado os lucros.

O ministro de Energia e Mudanças Climáticas, Graham Stuart, disse em um comunicado após o leilão que os planos do Reino Unido permanecem inalterados: "A energia eólica offshore é fundamental para nossas ambições de descarbonizar nosso fornecimento de eletricidade e nossa ambição de construir 50 GW de capacidade eólica offshore até 2030, incluindo até 5 GW de offshore flutuante, permanece firme".

O esquema de contrato por diferença (CfD) do Reino Unido, que foi lançado em 2014, oferece aos desenvolvedores de energia renovável um preço garantido para sua eletricidade.

Continua após a publicidade

No entanto, a licitação impôs um limite de preço para as ofertas de energia eólica offshore de 44 libras por megawatt-hora (MWh), abaixo das 46 libras/MWh da rodada anterior.

"Ao limitar o preço que o setor poderia oferecer a um valor muito baixo, o governo estabeleceu um nível que tornou impossível para os investidores arcarem com seus custos", disse o grupo de campanha de energia renovável Britain Remade em um comunicado.

A falta de nova capacidade eólica offshore custaria aos consumidores 1 bilhão de libras por ano, acrescentou.

O governo havia oferecido 227 milhões de libras em subsídios para estimular projetos de energia renovável, aumentando o valor em agosto, depois que os desenvolvedores alertaram que era necessário mais financiamento.

O custo dos projetos eólicos offshore aumentou em cerca de 40%, afirmaram desenvolvedores como a RWE, da Alemanha, e a Vattenfall, da Suécia, sendo que esta última interrompeu o desenvolvimento de um projeto que recebeu uma CfD na rodada do ano passado.

MENOS CAPACIDADE

Continua após a publicidade

A contratação de todas as tecnologias renováveis que entraram no último leilão totalizou 3,7 gigawatts, abaixo dos 11 GW de projetos que obtiveram contratos na rodada do ano passado.

Os projetos de energia solar ficaram em primeiro lugar, com 1,9 GW de capacidade, seguidos pelos projetos eólicos em terra, com 1,8 GW, segundo o documento.

O preço de exercício para a energia solar foi de 47 libras (58,71 dólares) por megawatt-hora (MWh) a preços de 2012, acima das 45,99 libras da rodada anterior, e o preço da energia eólica onshore subiu de 42,47 libras para 52,29 libras/MWh.

Os preços de oferta para CfDs de energia renovável são expressos em valores de 2012, com a inflação significando que os preços reais são mais altos.

(Reportagem de Nora Buli em Oslo)

Deixe seu comentário

Só para assinantes