OCDE eleva perspectiva de crescimento global para 2023, mas reduz a de 2024

PARIS (Reuters) - O desempenho mais forte do que o esperado da economia dos Estados Unidos está ajudando a manter a desaceleração global sob controle este ano, mas o enfraquecimento da economia chinesa será um obstáculo maior em 2024, segundo previsão da OCDE nesta terça-feira.

Após uma expansão de 3,3% no ano passado, o crescimento do Produto Interno Bruto global está em vias de desacelerar para 3,0% este ano, informou a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico na última atualização de suas previsões para as principais economias.

Embora isso represente uma melhora em relação aos 2,7% da perspectiva de junho da OCDE, o crescimento global deverá desacelerar para 2,7% em 2024 - abaixo da estimativa de 2,9% de junho.

A entidade sediada em Paris melhorou com força a perspectiva para a expansão do Brasil em 2023, passando a ver uma taxa de 3,2% contra 1,7% em junho. A projeção para o ano que vem também aumentou, com estimativa agora de crescimento de 1,7%, de 1,2% antes.

A OCDE disse ainda que agora espera que a economia dos EUA cresça 2,2% este ano, em vez de 1,6% como previsto em junho, uma vez que o crescimento dos EUA se mostra mais resiliente do que a maioria dos economistas esperava em face de uma série de aumentos de juros.

No entanto, é provável que haja uma desaceleração no próximo ano para 1,3%, embora isso seja melhor do que a taxa de 1,0% para 2024 esperada em junho.

A melhora na perspectiva dos EUA para este ano ajudou a compensar a fraqueza na China e na zona do euro, arrastada pela Alemanha - a única grande economia para a qual se vê uma recessão.

A OCDE previu que a economia chinesa desacelerará de 5,1% este ano para 4,6% no próximo ano, à medida que o ímpeto do fim das restrições da Covid se dissipa e o mercado imobiliário enfrenta dificuldades. Em junho, a OCDE havia previsto um crescimento de 5,4% neste ano e de 5,1% no próximo.

A organização reduziu a perspectiva de crescimento da zona do euro este ano para apenas 0,6%, em comparação com 0,9% em junho, mas previu que aceleração no próximo ano para 1,1% - em comparação com 1,5% em junho - com o retorno da Alemanha ao crescimento.

Continua após a publicidade

Embora as perspectivas para o próximo ano sejam, em sua maioria, fracas, a OCDE afirmou que os bancos centrais devem manter as taxas de juros elevadas até que haja sinais claros de que as pressões inflacionárias diminuíram.

(Reportagem de Leigh Thomas)

Deixe seu comentário

Só para assinantes