Itália abre investigação contra Ryanair em meio a polêmica sobre tarifas

Por Alvise Armellini e Keith Weir

ROMA (Reuters) - A agência antitruste da Itália abriu uma investigação nesta quarta-feira contra a companhia aérea de baixo custo Ryanair "por possível abuso de posição dominante (de mercado)", o mais recente desafio regulatório na Itália para a maior companhia aérea da Europa.

A Ryanair já está em uma disputa com o governo italiano, que está tentando segurar o preço dos voos domésticos para suas principais ilhas nos momentos de pico.

A empresa disse nesta quarta-feira que os voos italianos para a Sicília serão reduzidos em 10% em sua mais recente programação de inverno, culpando o limite de preços planejado pelo governo.

Anunciando uma nova batalha regulatória, a autoridade italiana de concorrência disse suspeitar que a companhia aérea esteja explorando uma posição dominante "para ampliar seu poder" em outros setores, como hotéis e aluguel de carros, em detrimento das agências de viagem.

A empresa supostamente limita a capacidade das agências de viagem de comprar passagens em seu site, restringindo assim sua capacidade de oferecer serviços de acomodação e transporte juntamente com passagens aéreas, disse a autoridade.

O governo italiano solicitou ao mesmo órgão regulador que policiasse o preço dos voos para as ilhas, modificando um decreto original anunciado em agosto para estabelecer um teto sobre as tarifas aéreas.

Eddie Wilson, chefe-executivo da Ryanair DAC, a maior companhia aérea do grupo Ryanair, disse que a companhia aérea se opôs à medida, apesar da modificação.

Ele também disse que a empresa acolhe a investigação da agência antitruste, dizendo que o órgão deve levar em conta outros aspectos e "trazer transparência para todos", segundo a agência de notícias Ansa.

Deixe seu comentário

Só para assinantes