ONS vê falha em equipamentos como causa do apagão e pede a geradores adoção de providências

RIO DE JANEIRO (Reuters) - Uma falha técnica em equipamentos de controle de tensão foi a causa do apagão ocorrido em 15 de agosto que afetou o fornecimento de energia elétrica em praticamente todo o país, informou o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), em relatório que aponta a necessidade de adoção de providências para evitar novas ocorrências do tipo.

Na minuta do Relatório de Análise de Perturbação (RAP) sobre o apagão, divulgada na noite de segunda-feira, o ONS aponta que a performance dos equipamentos de diversos parques eólicos e fotovoltaicos, no perímetro da linha de transmissão Quixadá-Fortaleza II, no Ceará, ficou aquém do previsto.

"Esses dispositivos das usinas deveriam compensar automaticamente a queda de tensão decorrente da abertura da linha de transmissão, porém o desempenho no momento da ocorrência ficou aquém do previsto nos modelos matemáticos fornecidos pelos agentes e testados em simulações pelo ONS", diz o comunicado do ONS.

A prévia do relatório, que será finalizado até 17 de outubro, revela a necessidade de adoção de "centenas" de providências pelos agentes do setor, tanto geradores eólicos e solares quanto o próprio ONS, em ações que terão que ser implementadas até julho de 2024.

"As providências vão desde ajustes em proteções, passando por problemas na comunicação com os agentes no momento da recomposição, até a validação dos modelos matemáticos de todos os geradores eólicos e fotovoltaicos, entre outras", disse o operador.

Algumas medidas já vêm sendo adotadas pelo ONS desde o apagão, como novos limites de intercâmbios de energia entre as diferentes regiões do país e medidas operativas no Nordeste, visando garantir a segurança operativa do Sistema Interligado Nacional (SIN).

O apagão observado em 15 de agosto foi iniciado em uma linha de transmissão operada pela Chesf no Ceará. Como os reguladores de tensão não funcionaram conforme esperado, o evento desencadeou restrições no fornecimento de energia elétrica em toda a rede elétrica nacional, com perda de carga da ordem de 23,4 gigawatts (GW).

O relatório final sobre a ocorrência é um dos mais importante da história do ONS e será fundamental para o aprimoramento do planejamento, operação, regulamentação e integração de novos projetos, disse em nota Luiz Carlos Ciocchi, diretor-geral do órgão.

Em entrevista recente à Reuters, Ciocchi havia antecipado que as conclusões sobre o apagão ocorrido em agosto poderiam significar uma mudança de paradigma para o setor elétrico brasileiro.

Continua após a publicidade

"Com muita dedicação e experiência dos profissionais do Operador, além do compromisso que temos com a sociedade brasileira, o problema foi identificado e ações imediatas foram implementadas pelo ONS para preservar a continuidade e a segurança do atendimento à carga", frisou Ciocchi no comunicado da véspera.

(Reportagem de Rodrigo Viga Gaier)

Deixe seu comentário

Só para assinantes