Tegram prevê aportes de R$1,6 bi para aumentar capacidade de exportações agrícolas

RIO DE JANEIRO (Reuters) - O consórcio do Terminal de Grãos do Maranhão (Tegram), no porto de Itaqui, em São Luís (MA), planeja investimentos de 1,6 bilhão de reais que levariam a um aumento estimado na capacidade de movimentação de 8,5 milhões toneladas de grãos por ano, conforme informou em nota nesta segunda-feira.

A expectativa é que a capacidade do terminal avance para 23,5 milhões de toneladas, ante os atuais 15 milhões de toneladas, e que as obras da terceira fase do projeto sejam concluídas no segundo semestre de 2026

"A estimativa é que a partir de 2027, o valor das exportações representará um incremento de 18,3 bilhões de reais anuais com a fase 3, consolidando o Itaqui como maior exportador de grãos das regiões Norte e Nordeste do país", disse o Consórcio Tegram-Itaqui, em comunicado à imprensa.

Inicialmente, os armazéns deste consórcio tinham capacidade estática de 500 mil toneladas, 125 mil toneladas cada, enquanto com a implantação da fase 3, chegará a 856,8 mil toneladas, representando um crescimento adicional de 356 mil toneladas em capacidade estática com a construção de novos silos, disse o diretor-executivo do Tegram, Randal Luciano, no comunicado.

"Essa iniciativa é uma marca para as regiões Norte e Nordeste do país, consolidando a mudança no eixo estrutural logístico e portuário no Brasil, que antes do Tegram, era concentrada no eixo Sul-Sudeste", disse Luciano.

Dentre outros pontos, na fase três, será incrementada a conexão pelo modal ferroviário nas estruturas atuais do Tegram e na futura moega do Porto do Itaqui (moegão) – Pera Sul, projeto sendo conduzido pelo operador ferroviário VLI junto à autoridade portuária EMAP.

(Por Marta Nogueira)

Deixe seu comentário

Só para assinantes