Bancos centrais globais podem ter atingido um possível platô nos juros

Por Howard Schneider e William Schomberg e Francesco Canepa

(Reuters) - A decisão do Banco da Inglaterra de manter a taxa de juros inalterada nesta quinta-feira coloca os três principais bancos centrais do mundo em um padrão de manutenção "mais alto por mais tempo", cuja duração dependerá do comportamento da inflação, da força do crescimento dos Estados Unidos e da profundidade das desacelerações econômicas em desenvolvimento na Europa e no Reino Unido, e se os mercados de títulos sustentam os custos mais altos de empréstimos.

Nenhum presidente de banco central declarou o fim da era de aumentos sincronizados das taxas de juros, e tanto o presidente do Fed, Jerome Powell, na quarta-feira, quanto seu colega inglês, Andrew Bailey, nesta quinta, indicaram que a prioridade continua sendo o retorno da inflação à meta de 2%, e que estão abertos a aumentar novamente os juros de curto prazo se as pressões sobre os preços se mostrarem mais persistentes.

Mas as atas da última reunião de política do Banco da Inglaterra indicaram um possível platô.

"As expectativas do mercado em relação às trajetórias das taxas de juros sugerem que atingimos um pico ou que estamos próximos dele no Reino Unido, nos Estados Unidos e na zona do euro", afirmou a ata.

"As autoridades de política monetária em cada jurisdição descreveram a postura da política como restritiva", com os investidores alinhados com a ideia de que as taxas permanecerão altas pelo menos até meados do próximo ano.

As autoridades de política monetária do Reino Unido, assim como as do Fed, seguiram a sugestão de um aumento nas taxas de juros, que deve prejudicar a atividade econômica em todas as principais economias desenvolvidas, desacelerando ainda mais o crescimento na zona do euro e no Reino Unido.

Os rendimentos dos títulos públicos de longo prazo, que são influenciados pelas taxas de juros de curto prazo dos bancos centrais, mas que, em última análise, são definidos pelos investidores, "aumentaram significativamente, com os maiores movimentos observados nos Estados Unidos", observou o Comitê de Política Monetária do BoE em suas atas.

"Em parte, isso provavelmente refletiu as expectativas do mercado de que as taxas globais permaneceriam mais altas por mais tempo durante o ciclo atual."

Continua após a publicidade

Tanto o Fed quanto as autoridades do BCE adotaram um tom semelhante, desconsiderando a possibilidade de cortes nas taxas para manter o foco na inflação.

O Banco Central Europeu deixou as taxas de juros inalteradas, conforme esperado, na semana passada, encerrando uma sequência sem precedentes de 10 aumentos consecutivos.

Mas as conversas sobre cortes são prematuras, disseram as autoridades, embora os dados mostrem que a inflação da zona do euro está caindo rapidamente e que a economia começou a se contrair. Combinado com um colapso na criação de crédito, isso significava que o BCE quase certamente terminou o ciclo de alta.

O Banco do Japão continua sendo a exceção, ainda tentando superar décadas de inflação muito baixa. Porém, até mesmo as autoridades do país veem um possível fim de sua postura de dinheiro fácil no próximo ano, com o risco de serem forçadas a agir mais rapidamente se as taxas de juros mais altas em outras economias desenvolvidas enfraquecerem o iene e aumentarem a inflação japonesa.

Por enquanto, haverá pouca chance de ajuda nesse sentido por parte de Frankfurt, Londres ou Washington, onde os autoridades de política monetária afirmam uniformemente que os cortes nas taxas não estarão sobre a mesa até que as pressões sobre os preços sejam realmente contidas, um processo que, mesmo nos EUA, onde a inflação de cerca de 3,4% está mais próxima da meta, deve se arrastar.

"Estamos comprometidos em adotar uma postura de política monetária suficientemente restritiva para reduzir a inflação de forma sustentável para 2% ao longo do tempo e manter a política restritiva até que estejamos confiantes de que a inflação está no caminho para esse objetivo", disse Powell na quarta-feira.

Continua após a publicidade

O progresso na inflação "provavelmente virá em pedaços", disse Powell. "É preciso algum tempo."

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes