ATUALIZA-Atrasos em aviões da Boeing fazem Gol cortar previsões para o ano

SÃO PAULO (Reuters) - A companhia aérea Gol reduziu nesta segunda-feira suas perspectivas para 2023, após divulgar prejuízo líquido de terceiro trimestre, dizendo que agora prevê que o lucro por ação será zero este ano, ante estimativa anterior de 0,30 real.

A empresa reduziu também a projeção de margem de lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) de cerca de 25% para aproximadamente 24% em 2023, cortando o investimento previsto em aquisição de aeronaves de 500 milhões para 100 milhões de reais no ano.

No balanço, a companhia afirmou que reduziu seu crescimento para 2023 em função de atrasos na entrega de novas aeronaves Boeing 737-MAX 8, em meio à dificuldades da fabricante norte-americana.

Nos três meses encerrados em setembro, a Gol teve prejuízo líquido de 1,3 bilhão de reais, menor do que o prejuízo de 1,55 bilhão registrado há um ano, mas voltando ao vermelho depois de lucro líquido inesperado no segundo trimestre.

O Ebitda recorrente no terceiro trimestre foi de 1,25 bilhão de reais, salto de 79,8% na comparação com um ano antes.

No período, o indicador de preços de passagens, yield, subiu 4,5%, a 46,99 centavos de real, enquanto o custo sem incluir combustível (Cask) subiu 6,1%. Incluindo combustível na conta, houve queda de 8% no custo do terceiro trimestre na comparação anual.

A empresa reduziu sua alavancagem no período, com a relação dívida líquida sobre Ebitda passando de 5 para 4 vezes. No final de 2022, a relação de endividamento da Gol era de 9,5 vezes.

A redução do endividamento ocorreu apoiada na operação de conversão de títulos de dívida no final do trimestre. A Gol terminou setembro com caixa total de 993,7 milhões de reais, crescimento de quase 70% sobre um ano antes.

(Por Gabriel Araujo e Alberto Alerigi Jr.)

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes