Petrolífera Adnoc faz oferta de R$10,5 bi por fatia da Novonor na Braskem; ação dispara

SÃO PAULO (Reuters) -O grupo petrolífero de Abu Dhabi Adnoc fez uma nova oferta não vinculante, no valor de 10,5 bilhões de reais, pela participação que a Novonor tem na Braskem, informou a petroquímica brasileira nesta quinta-feira, o que fez as ações da companhia dispararem 23%.

A oferta da Adnoc equivale a 37,29 reais por ação, um prêmio de mais de 100% sobre o valor de fechamento da ação PN da petroquímica brasileira na véspera, a 17,28 reais, e de mais de 120% sobre a cotação do papel ON, de 16,82 reais.

A Novonor detém participação de 50,1% no capital votante da Braskem e de 38,3% no capital total.

A proposta do grupo do Oriente Médio prevê pagamento de 50% em dinheiro na assinatura do contrato e o restante por meio de dólares a serem pagos por meio de um instrumento de dívida com vencimento em sete anos e com juros anuais de 7,25% e dinheiro a partir do quarto ano. Os pagamentos serão feitos diretamente aos bancos credores da Novonor que têm as ações como garantia.

Analistas Citi afirmaram que a principal questão para os acionistas minoritários é se a proposta da Adnoc desencadeia direitos de tag along ou não. "É muito cedo para dizer, mas, em nossa opinião, isso não desencadearia direitos de tag along", acrescentaram em nota a clientes.

Em julho, o grupo J&F, controlador da JBS, fez oferta de cerca de 10 bilhões de reais pela fatia da Novonor na Braskem. O prazo da proposta era de 120 dias.

A oferta da Adnoc está condicionada a termos que incluem um novo acordo de acionistas com a Petrobras, que detém 47% do capital votante e 36,1% do capital total da empresa, e apuração de "eventuais passivos adicionais derivados do evento de Alagoas", afirmou a Braskem, se referindo ao afundamento de solo na capital alagoana que abriga operações da companhia.

Em comunicado separado, a Petrobras afirmou que foi informada na quarta-feira pela Adnoc sobre tal proposta e acrescentou que a mesma "ainda será avaliada pelas instâncias competentes" da petrolífera.

A companhia reiterou que está realizando due dilligence na Braskem, para eventual exercício de tag along ou direito de preferência, na hipótese de alienação das ações detidas pela Novonor na Braskem.

Continua após a publicidade

"Vale destacar que não houve qualquer decisão da diretoria executiva ou do conselho de administração em relação ao tema", afirmou a Petrobras no comunicado à Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

De acordo com analistas do BTG Pactual, como tem acontecido nos últimos anos, a notícia pode impulsionar o desempenho das ações e compensar parte do sentimento negativo dos resultados do terceiro trimestre, quando a petroquímica registrou prejuízo líquido de 2,4 bilhões de reais.

"Mas, embora acreditemos que um potencial resultado final para a venda da Braskem esteja próximo, ainda não estamos convencidos de que os acionistas minoritários poderão aproveitar as vantagens dos direitos de tag along desta oferta", afirmaram em relatório a clientes.

Por volta de 12:00, as ações da companhia avançavam 15,86%, a 20,02 reais, após atingirem 21,26 reais (+23,03%) na máxima, respondendo pelo melhor desempenho do Ibovespa, que subia 0,75%.

(Por Alberto Alerigi Jr., com reportagem adicional de Paula Arend LaierEdição de Pedro Fonseca)

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes