Dólar contraria exterior e sobe ante real com importadores na compra de moeda

Por Fabricio de Castro

SÃO PAULO (Reuters) - Importadores e outros participantes do mercado de câmbio aproveitaram as cotações mais baixas, após os recuos recentes, para comprar dólares nesta sexta-feira, o que fez a moeda norte-americana à vista fechar em alta firme ante o real, a despeito do recuo visto no exterior.

O dólar à vista fechou o dia cotado a 4,9056 reais na venda, em alta de 0,72%. Na semana, no entanto, a moeda dos EUA acumulou baixa de 0,18%. No mês de novembro, o dólar acumula queda de 2,68%.

Na B3, às 17:15 (de Brasília), o contrato de dólar futuro de primeiro vencimento subia 0,80%, a 4,9110 reais.

No início do dia, o dólar ensaiou nova baixa ante o real, em sintonia com o recuo da moeda norte-americana no exterior, em meio à percepção de que, com os números mais recentes de inflação e atividade, o Federal Reserve tende a não elevar mais os juros no curto prazo. Assim, o dólar atingiu a menor cotação do pregão de 4,8516 reais (-0,39%) às 9h01, logo após a abertura dos negócios no Brasil.

Três profissionais ouvidos pela Reuters ao longo do dia afirmaram que, com o dólar à vista perto dos 4,85 reais, importadores foram às compras, assim como players interessados na aquisição de moeda antes do fim do ano. Tradicionalmente, o mês de dezembro é marcado por remessas de divisas ao exterior por parte de fundos e multinacionais, o que eleva a demanda por dólar.

“O Brasil ainda é um país em que a importação influencia muito. Quem é operador de dólar pronto (à vista) sente: qualquer queda de 2 centavos no dólar, eles vêm agressivamente comprar”, pontuou Evandro Caciano head de câmbio da Trace Finance. “De manhã houve compras fortes, o que forçou o preço.”

O diretor da assessoria de câmbio FB Capital, Fernando Bergallo, também chamou atenção para as compras sazonais de fim de ano, com “bancos estrangeiros e filiais de multinacionais remetendo lucros e dividendos para suas sedes no exterior”. Por isso, segundo ele, é natural que quando a divisa atinge cotações mais baixas apareçam compradores, impulsionando os preços do dólar.

No pico da sessão, às 16h40, o dólar à vista foi cotado a 4,9071 reais (+0,75%).

Continua após a publicidade

O avanço do dólar ante o real ocorreu apesar de, no exterior, o viés principal para a moeda norte-americana ser de baixa, em mais um dia de queda dos rendimentos dos Treasuries.

Às 17:15 (de Brasília), o índice do dólar --que mede o desempenho da moeda norte-americana frente a uma cesta de seis divisas-- caía 0,45%, a 103,900.

Pela manhã, o BC vendeu todos os 16.000 contratos de swap cambial tradicional ofertados na rolagem dos vencimentos de janeiro.

À tarde, o BC informou que o Brasil registrou fluxo cambial total negativo de 1,481 bilhão de dólares em novembro até o dia 10. Pelo canal financeiro, houve saídas líquidas de 1,194 bilhão de dólares no período e, pelo comercial, saídas de 287 milhões de dólares.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes