Agitação no setor de viagens retorna aos EUA antes do Dia de Ação de Graças

Por Daniel Trotta

(Reuters) - Milhões de norte-americanos foram para as casas de amigos e familiares nesta quarta-feira, véspera do feriado de Ação de Graças, no dia mais movimentado para viagens desde o início da pandemia, sem se deixar se abaterem por um amplo sistema de tempestades na Costa Leste que interrompeu alguns voos e reduziu a velocidade do tráfego.

O grupo do setor de viagens Airlines for America prevê que as companhias aéreas dos Estados Unidos transportarão cerca de 29,9 milhões de passageiros entre 17 e 27 de novembro. O número seria um recorde histórico, 9% maior do que no ano passado e 1,7 milhão de passageiros a mais do que os níveis observados antes da pandemia da Covid-19.

Na terça-feira, 2,6 milhões de passageiros foram examinados nos pontos de controle de segurança dos aeroportos, o maior número já registrado na terça-feira antes do Dia de Ação de Graças, de acordo com a Administração de Segurança dos Transportes dos EUA, e a expectativa é que a quarta-feira seja ainda mais movimentada.

A American Automobile Association projeta que 55,4 milhões de viajantes se afastarão 80 km ou mais de casa de quarta a domingo, um aumento de 2,3% em relação ao ano passado e o terceiro maior número desde que o grupo de motoristas começou a monitorar as viagens de férias em 2000 -- embora ainda seja menor do que o número registrado em 2019, antes da Covid.

A queda nos preços da gasolina e das passagens aéreas tornou as viagens mais acessíveis à medida que a inflação diminuiu. Os preços da gasolina têm queda de 15% desde meados de setembro, de acordo com o GasBuddy, um site de rastreamento, enquanto o site de viagens Hopper mostrou que os voos para a semana do Dia de Ação de Graças estavam 14% mais baratos do que no ano passado.

A tempestade que trouxe chuvas e rajadas de vento para grande parte do leste dos EUA na terça-feira estava se afastando da costa nesta quarta-feira, de acordo com o Serviço Nacional de Meteorologia, mas os Estados da Carolina do Norte e Carolina do Sul e outras partes da costa sul do Atlântico ainda devem ver tempestades.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes