Aliada de Milei se reúne com chanceler brasileiro, reduz tom e convida Lula para posse

SÃO PAULO (Reuters) - A principal conselheira de política externa do presidente eleito da Argentina, Javier Milei, teve uma reunião com o ministro de Relações Exteriores brasileiro neste domingo, em mais um sinal de que o libertário radical pode continuar suavizando o tom com muitos daqueles que havia criticado duramente.

Diana Mondino teve uma reunião em Brasília com o chanceler brasileiro, Mauro Vieira, e convidou o presidente Luiz Inácio Lula da Silva para a posse de Milei em 10 de dezembro. Há ampla expectativa que ela seja nomeada pelo presidente eleito como a nova chanceler da Argentina.

"Creio que a principal mensagem é que somos países irmãos, e vamos seguir sendo", disse ela a jornalistas após a reunião.

Mondino minimizou críticas feitas anteriormente por Milei, que chamou Lula de "comunista raivoso" e "socialista com vocação totalitária". O presidente eleito argentino também havia indicado que poderia hesitar em fazer negócios com o Brasil, o principal parceiro comercial da Argentina.

"Temos que separar Estado, de governo, de pessoas. A parceria (entre os dois países) continuará", disse ela.

Milei é mais próximo, tanto no campo político quanto no pessoal, do ex-presidente Jair Bolsonaro do que de Lula. Bolsonaro, derrotado no segundo turno nas eleições de 2022, já havia sido convidado pessoalmente para a posse do argentino.

De acordo com o Itamaraty, Vieira e Mondino "discutiram também aspectos da relação bilateral e o atual estágio das negociações Mercosul-UE", conforme post na rede social X.

"Eu não tenho dúvidas que nossa relação, que é tão importante, continuará a ser importante", afirmou Vieira a jornalistas, acrescentando que transmitirá o convite de Milei a Lula no final desta tarde.

Vieira disse que Mondino "deu aqui testemunhos, demonstrações de que a Argentina quer continuar a manter um diálogo de alto nível com o Brasil."

Continua após a publicidade

O encontro de Mondino com Vieira ocorre após Milei, na semana passada, também suavizar o tom com a liderança comunista da China, agradecendo ao presidente Xi Jinping por uma carta de felicitações. A China é o segundo maior parceiro comercial da Argentina.

Enquanto isso, Milei deve viajar para os Estados Unidos neste domingo, disse um porta-voz à Reuters, acrescentando que o presidente eleito participará de uma cerimônia religiosa em Nova York e fará reuniões.

(Reportagem de Gabriel Araujo e Lisandra Paraguassu em Brasília; reportagem adicional de Jorge Otaola em Buenos Aires))

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes