Dívida pública bruta sobe a 73,8% do PIB em novembro, mostra BC

SÃO PAULO (Reuters) - A dívida bruta do Brasil registrou ligeira alta em novembro, quando o setor público consolidado brasileiro apresentou déficit primário, de acordo com dados divulgados nesta sexta-feira pelo Banco Central.

A dívida pública bruta do país como proporção do PIB fechou novembro em 73,8%, contra 73,7% no mês anterior, sob impacto dos juros nominais apropriados (aumento de 0,6 p.p.), e do efeito da variação do PIB nominal (redução de 0,5 p.p.).

Já a dívida líquida foi a 59,5%, de 59,2%, refletindo os impactos dos juros nominais apropriados (aumento de 0,4 p.p.), do déficit primário (aumento de 0,3 p.p.), da valorização cambial de 2,4% no mês (aumento de 0,3 p.p.), do ajuste de paridade da cesta de moedas que integram a dívida externa líquida (redução de 0,3 p.p.), e da variação do PIB nominal (redução de 0,4 p.p.).

As expectativas em pesquisa da Reuters eram de 75,0% para a dívida bruta e de 60,4% para a líquida.

Em novembro, o setor público consolidado registrou um déficit primário de 37,27 bilhões de reais, pior do que a expectativa de economistas consultados em pesquisa da Reuters de um saldo negativo de 34,5 bilhões de reais.

O desempenho mostra que o governo central teve déficit de 38,923 bilhões de reais, enquanto Estados e municípios registraram superávit primário de 1,996 bilhão de reais e as estatais tiveram saldo negativo de 343 milhões de reais, mostraram os dados do Banco Central.

Nos 12 meses encerrados em novembro, o setor público consolidado foi deficitário em 131,4 bilhões de reais, equivalente a 1,22% do PIB.

(Por Camila Moreira)

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes