LVMH aumenta vendas com resiliência de consumidores de luxo

Por Mimosa Spencer

PARIS (Reuters) - A LVMH registrou um aumento de 10% nas vendas do quarto trimestre, impulsionado pela procura resiliente - incluindo na China - pelas suas marcas de moda durante o importante período de final de ano.

As vendas do maior grupo de luxo do mundo, dono de marcas como Louis Vuitton, Dior e Tiffany, chegaram a quase 24 bilhões de euros nos últimos três meses de 2023, excluindo flutuações cambiais e aquisições.

“Tem corrido bem, geramos um bom nível de atividade com bases de comparação que não eram tão simples no ano passado, notadamente em dezembro, com um nível de atividade muito bom, então em termos de demanda estamos bastante satisfeitos”, disse o CFO da companhia, Jean-Jacques Guiony.

“Temos um crescimento significativo de clientes chineses que continua inabalável”, acrescentou a jornalistas.

A LVMH, um conglomerado que abrange bebidas, joalharia, cosméticos e moda, é considerada uma referência para a indústria do luxo em geral.

Depois de um movimento pós-pandemia que impulsionou um crescimento estelar das vendas para empresas de moda de luxo ao longo de dois anos, os consumidores têm controlado as compras, especialmente a clientela mais jovem e menos rica, que é mais vulnerável ao aumento da inflação.

Os analistas do Barclays projetam um crescimento de 5% em todo o setor das empresas de alto luxo este ano, abaixo dos 9% do ano passado e do crescimento de dois dígitos nos dois anos anteriores.

Os gastos dos norte-americanos e europeus permanecem moderados, dizem os analistas, e foram apenas parcialmente compensados ​​pelo regresso dos turistas chineses após os confinamentos.

Continua após a publicidade

As vendas na divisão de moda e artigos de couro da LVMH, que inclui as suas maiores marcas Vuitton e Dior, subiram 9% durante o trimestre, um pouco abaixo das expectativas de crescimento de 10%.

O grupo propôs um dividendo de 13 euros por ação, acima dos 12 euros de há um ano. E prevê um crescimento contínuo no próximo ano, apesar de um contexto macroeconômico e geopolítico incerto.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes