Banco da Inglaterra mantém juros e diz que taxa está "sob revisão"

Por Andy Bruce e David Milliken e Suban Abdulla

LONDRES (Reuters) - O Banco da Inglaterra manteve a taxa de juros em uma máxima de quase 16 anos nesta quinta-feira, mas suavizou sua posição sobre quando poderia cortá-la e uma de suas autoridades deu o primeiro voto a favor de uma redução nos custos de empréstimos desde 2020.

O Comitê de Política Monetária do banco central britânico se dividiu sobre o rumo para a política monetária e abandonou o alerta de que os juros poderiam subir novamente, dizendo, em vez disso, que os custos dos empréstimos serão mantidos "sob revisão".

Seis dos nove membros do comitê votaram pela manutenção da taxa de juros em 5,25%. Jonathan Haskel e Catherine Mann optaram por um aumento de 0,25 ponto percentual, enquanto Swati Dhingra votou por um corte do mesmo tamanho.

Essa foi a primeira vez desde agosto de 2008 - no início da crise financeira global - que autoridades diferentes votaram para tanto para aumentar quanto para diminuir a taxa de juros na mesma reunião.

"Estamos começando a ver sinais de que o Banco da Inglaterra pode agir em breve, já que houve uma votação na reunião de hoje para um corte", disse Lindsay James, estrategista de investimentos da Quilter Investors.

Economistas ouvidos pela Reuters esperavam que um participante do comitê votasse a favor de um aumento da taxa e que o restante optasse pela manutenção.

"Precisamos ver mais evidências de que a inflação vai cair até a meta de 2%, e permanecer lá, antes de podermos reduzir a taxa de juros", disse o presidente do banco central, Andrew Bailey.

Porém, em uma suavização de sua linguagem sobre as perspectivas para a política monetária, o banco retirou seu alerta de que seria necessário um "aperto adicional" se surgisse uma pressão mais persistente da inflação.

Continua após a publicidade

Em vez disso, disse que "manterá sob análise por quanto tempo a taxa básica de juros deverá ser mantida em seu nível atual".

Autoridades do Federal Reserve e do Banco Central Europeu foram mais explícitas quanto ao fato de que os cortes nas taxas estão na agenda.

Na quarta-feira, o Fed disse que sua taxa de juros havia atingido o pico e que a baixará ainda este ano.

O Banco da Inglaterra reiterou que a política monetária precisará permanecer "restritiva por tempo suficiente", mesmo tendo reduzido sua previsão de inflação para os próximos meses.

Entretanto, o crescimento consideravelmente mais alto dos salários diferenciou o Reino Unido de seus pares na condução da pressão inflacionária no longo prazo, disse o banco central.

A inflação anual dos preços ao consumidor deve retornar a 2% no segundo trimestre deste ano, ainda que brevemente, em um forte rebaixamento da perspectiva de curto prazo do Banco da Inglaterra para o aumento dos preços em comparação com as projeções de novembro.

Continua após a publicidade

Mas previsão de médio prazo - baseada em uma trajetória de mercado para as taxas de juros muito mais baixa do que em novembro - mostrou que a inflação voltará a subir acima de 2% no terceiro trimestre de 2024 e não retornará à meta até o final de 2026, um ano depois do que o banco central havia previsto em novembro.

O Banco da Inglaterra manteve sua opinião de que a economia britânica terá dificuldades para gerar muito crescimento econômico nos próximos trimestres, apesar de um modesto aumento nas projeções de crescimento anual.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes