Mester, do Fed, está aberta a cortes nos juros se ficar claro que inflação está cedendo mais

(Reuters) - A presidente do Federal Reserve de Cleveland, Loretta Mester, disse nesta terça-feira que, se a economia dos Estados Unidos tiver o desempenho que ela espera, isso poderá abrir a porta a cortes na taxa básica de juros, mas ela ainda não está pronta para oferecer qualquer cronograma para uma política monetária menos restritiva em meio à incerteza contínua da inflação.

"A política monetária está em uma boa posição para avaliar e responder" aos riscos para as perspectivas, disse Mester em um discurso na Liga de Banqueiros de Ohio.

"A atual força das condições do mercado de trabalho e os fortes dados de gastos nos dão a oportunidade de manter a taxa básica em seu nível atual enquanto reunimos mais evidências de que a inflação está realmente em uma trajetória sustentável e oportuna de volta a 2%", disse ela.

E quanto à perspectiva de redução da taxa básica de curto prazo do Fed, Mester disse que, se a economia norte-americana avançar conforme o esperado, as autoridades do banco central dos EUA ganharão confiança de que as pressões sobre os preços estão diminuindo e "então poderemos começar a reduzir os juros. Meu cenário base é que faremos isso em um ritmo gradual para que possamos continuar a gerenciar os riscos em ambos os lados do nosso mandato".

Mas Mester também disse que é possível não ter nenhuma mudança na política monetária. "Se a inflação parecer estar estagnada em um nível acima de nossa meta, teríamos a oportunidade de manter uma postura restritiva por mais tempo", disse ela.

"Há motivos para sermos cautelosos ao supor que o ritmo acelerado de desinflação do ano passado será mantido à medida que a inflação se aproximar da meta de 2%", disse Mester. Isso se deve, em parte, ao fato de que pressões reduzidas na cadeia de suprimentos têm sido fundamentais para diminuir a pressão sobre os preços e podem não contribuir no futuro.

Mester disse que "embora a inflação possa se mostrar mais persistente este ano, minha previsão base é de que, sob uma política monetária apropriada, a inflação continuará a cair ao longo do tempo para nossa meta de 2%". Ela não deu um cronograma para que isso aconteça, embora alguns acreditem que isso possa ocorrer ainda este ano.

(Por Michael S. Derby)

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes