Investidores se preparam para "circuit breaker" na Bovespa hoje

Os investidores no mercado acionário brasileiro estão se preparando para um dia de bastante nervosismo com a suspeita de que o presidente Michel Temer (PMDB) avalizou o pagamento de propina ao ex-deputado Eduardo Cunha para que o parlamentar não envolvesse o governo e seus aliados em denúncias de corrupção.


Cunha está preso desde outubro de 2016 em meio às investigações da Operação Lava-Jato. Reportagem do jornal "O Globo" na noite de quarta-feira (17) mostrou que Joesley Batista, um dos donos do frigorífico JBS, gravou uma conversa com Temer na qual o presidente concorda com o pagamento de uma mesada a Cunha na cadeia.


O medo dos investidores é de que o novo capítulo da crise política brasileira atrase ou mesmo impeça a aprovação de reformas estruturais que são vistas como fundamentais para a recuperação da economia da recessão e o crescimento sustentável do país no futuro.


As empresas brasileiras sofreram violentas quedas no exterior durante a noite. Dessa maneira, analistas já esperam que o mecanismo de limite de perdas do Índice Bovespa - também conhecido como "circuit breaker" - seja acionado no pregão desta quinta-feira.


Nos Estados Unidos, a cota do iShares MSCI Brazil Capped ETF, que é o maior fundo de índice do Brasil negociado no mercado externo, chegou a cair 14%. O American Depositary Receipt (ADR) da Petrobras há pouco despencava 16,91%, para US$ 8,95, no pré-mercado em Nova York.


As proteções do sistema da bolsa local entram em vigor se e quando o Ibovespa cair 10% em relação ao fechamento do dia anterior. No caso de hoje, tal limite está nos 60.786 pontos. Aí, todas as negociações são automaticamente interrompidas por 30 minutos.


Caso, após a reabertura, o índice recue 15% ante o fechamento do dia anterior - para 57.409 pontos no caso desta quinta-feira - , o pregão é suspenso por mais uma hora.


Com uma queda de 20% depois da segunda reabertura - o que seria aos 54.032 pontos hoje -, os negócios são paralisados por um tempo a ser determinado e anunciado pelo diretor do pregão da Bovespa.


A última vez que o limite de quedas foi acionado na bolsa brasileira foi em outubro de 2008, no auge da turbulência global que começou com a crise das hipotecas nos EUA.


"As quedas dos ativos brasileiros no 'aftermarket' americano, nesta madrugada, foram muito violentas. Os investidores esperam uma realização bem forte na Bovespa hoje", disse Pablo Spyer, diretor de operações da corretora Mirae. "A situação é ainda mais preocupante porque a operação Lava-Jato está tendo desdobramentos nesta manhã."


Além da própria JBS, as empresas estatais - Petrobras, Eletrobras e Banco do Brasil - devem figurar entre as maiores baixas na Bovespa nesta quinta-feira, na avaliação de Spyer.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos