PUBLICIDADE
IPCA
0,24 Ago.2020
Topo

Com ajuda externa, Ibovespa tem dia de euforia e toca em 86 mil pontos

18/04/2018 17h54

O Ibovespa interrompeu o movimento "morno" e ganhou tração, sob influência do cenário externo e elementos técnicos. Assim, o índice se aproximou dos 86 mil pontos, patamar que havia perdido no fim de março. O desempenho foi possível graças ao ganhos das blue chips, como Vale, e também de siderúrgicas, em linha com os ganhos das mineradoras no exterior.

O índice fechou em alta de 2,01%, aos 85.776 pontos, depois de ir à máxima no dia em 86.149 pontos. O giro financeiro foi forte, de R$ 10,8 bilhões, influenciado especialmente pelo vencimento de opções sobre Ibovespa.

Entre os papéis de maior peso para o índice, as altas foram generalizadas. A Vale ON subiu 3,37%, a R$ 47,48, enquanto siderúrgicas como Usiminas (+8,01%, a R$ 11,06), CSN (+6,21%, a R$ 9,23) e Metalúrgica Gerdau (+4,34%, a R$ 8,17) também ficaram no campo positivo. Em dia de minério em alta, outras empresas do setor tiveram altas hoje no exterior ? Anglo American (+6,15%), Rio Tinto (+5,35%), Glencore (+7,65%) e BHP (+5,50%) subiram na bolsa de Londres.

A alta das siderúrgicas no Brasil também ocorreu depois que as quedas recentes reforçaram a atratividade em termos de nível de preços. O forte avanço é explicado também pelo fato de que tais papéis têm "beta alto", ou seja, tendem a seguir o sinal do Ibovespa, mas com uma intensidade maior.

A maior alta do dia ficou a cargo das ações da BRF (+9,51%, a R$ 23,04), que reagiram à informação de que Pedro Parente, presidente da Petrobras, é o nome de consenso para comandar o conselho de administração da empresa. Conforme o Valor, o empresário Abilio Diniz retomou as tratativas com os fundos de pensão Petros e Previ, depois de interromper as negociações para chegar a uma chapa de consenso para a eleição do colegiado.

O petróleo também deu um salto importante nesta quarta-feira e fechou na maior cotação desde 2014. Por aqui, Petrobras PN fechou em alta de 3,62% e ON subiu 2,92%.

Na outra ponta, depois de terem um pregão muito forte no dia anterior, as ações da Energias do Brasil (-2,78%, a R$ 13,65) lideraram as quedas.

Operadores e analistas gráficos notam que o Ibovespa rompeu, pela primeira vez no mês, a resistência de 85.600 pontos, o que pode representar um impulso importante às compras no curto prazo.

Entretanto, Fábio Carvalho, chefe da área de equities da CM Capital Markets, observa que a euforia vista hoje na bolsa foi um movimento pontual e não garante que o Ibovespa vá de fato caminhar rumo a novas máximas. Para ele, o vencimento de opções sobre Ibovespa hoje causou um desempenho atípico e o mercado ainda está totalmente à mercê do ambiente político.

"Há posições 'vendidas' em bolsa que tiveram que ser zeradas por causa do vencimento. Isso gera distorções e polui movimento do mercado. É preciso tomar cuidado com o 'oba-oba' nesse momento", afirma.