BC mantém juros em 7,25%; saiba o que fazer com seu dinheiro

Epaminondas Neto
Do UOL, em São Paulo

A opção do Banco Central em manter os juros básicos da economia (Selic) em 7,25% ao ano deve ter um efeito limitado sobre as aplicações financeiras.

Boa parte dos investidores e economistas do setor financeiro já contava com essa decisão. Mais importante foi a indicação do governo de que um aumento dos juros se tornou cada vez mais possível nos próximos meses.

O aumento da taxa básica de juros, a principal ferramenta do governo para combater a inflação, favorece principalmente investimentos pós-fixados, como fundos DI e CDB-DI.

Pelas novas regras, o rendimento da poupança também melhora, bem como o ganho proporcionado pelo título do Tesouro Direto denominado LFT.

Embora ainda seja incerto como o governo pretende usar essa ferramenta, no mercado financeiro fica cada vez mais forte a convicção de que a taxa básica não deve permanecer no patamar atual no curto prazo.

O IPCA (o índice de preços calculado pelo IBGE) previsto para este ano é de 5,70%, acima do centro da meta de inflação (4,5% ao ano) do governo. O índice de preços também deve permanecer acima de 5% em 2014.

Se o aumento não ocorrer neste semestre, o mercado vai concentrar as apostas para a segunda metade do ano, e não para 2014.

Qual pode ser a estratégia do investidor nesse cenário?

"Se você vai apostar contra o governo [isto é, que o BC não vai subir os juros para conter o IPCA], é melhor buscar produtos que protejam contra a inflação; se vai apostar com o governo [isto é, que os juros vão subir], é melhor ir para os produtos pós-fixados", afirma Jason Vieira, economista do portal de informações financeiras MoneYou.

"Correr atrás do CDI é a melhor opção neste momento", diz o professor da escola paulista de negócios BBS, Ricardo Torres.

O CDI é o juro de mercado que segue de perto a variação da taxa básica. Os produtos acima citados usam esse juro como referência.

A reação na Bolsa de Valores

Analistas concordam que a reação dos investidores na Bolsa de Valores deve ser neutra, porque muitos já haviam antecipado a decisão do Banco Central.

"A Bolsa não valorizou quando os juros básicos despencaram. Acho difícil que o contrário aconteça agora", diz Antônio de Júlio, especialista da consultoria de finaças pessoais MoneyFit.

O que pode pesar realmente no mercado de ações é a percepção de que o governo vai iniciar um período de aumento dos juros para combater a alta dos preços.

Quanto maior for essa convicção, menos os investidores vão ter estímulo para buscar ganhos por meio da aplicação em ações.

Notícias relacionadas



Shopping UOL

UOL Cursos Online

Todos os cursos