Bolsas

Câmbio

Ao VivoDireto da BolsaDireto da Redação

Cobertura de notícias sobre mercados, ações e investimentos no Brasil e no exterior

Bancos autorizam retomada do IPO do IRB Brasil Resseguros

Os bancos sócios do IRB Brasil Resseguros informaram nesta sexta-feira (19) que aprovaram que a companhia retome os preparativos para entrar no segmento de Novo Mercado da Bolsa de Valores brasileira. Em comunicados separados, Bradesco, Itaú Unibanco e BB Seguridade, braço de seguros e previdência do Banco do Brasil, afirmaram que o IRB Brasil deve pedir à CVM (Comissão de Valores Mobiliários) uma autorização para realizar uma distribuição secundária de ações. (Com Reuters)

Vale nega interferência externa em escolha de presidente e diretores

A mineradora Vale disse que a escolha do novo presidente da companhia, Fabio Schvartsman, e da diretoria executiva "ocorreu a salvo de qualquer interferência externa e foi conduzido em conformidade com as melhores práticas de mercado", segundo comunicado nesta sexta-feira (19). De acordo com o jornal "O Globo", o senador Aécio Neves (PSDB-MG) teria oferecido ao empresário Joesley Batista, um dos donos da JBS, a possibilidade de nomear um dos diretores da Vale, o que constaria de conversa gravada pelo executivo em encontro com o parlamentar. A mineradora defendeu que o processo de definição de seus executivos segue práticas de governança da companhia. "O Conselho de Administração da Vale reafirma seu compromisso com a ética", afirma o comunicado. (Com Reuters) Leia Mais

Bolsa sobe 1,7%, após tombo na véspera, mas acumula queda de 8% na semana

Ibovespa, principal índice da Bolsa brasileira, fechou esta sexta-feira (19) em alta de 1,69%, a 62.639,31 pontos, após despencar 8,8% na véspera, o maior tombo desde 22 de outubro de 2008, no auge da crise financeira internacional. Apesar de subir no dia, a Bolsa termina a semana com desvalorização acumulada de 8,18%. A JBS, empresa no centro das acusações contra o presidente Michel Temer, fechou em alta de 1,52%, após tombar mais de 9% na véspera. O dia foi de alta da maioria das ações que compõem o Ibovespa. As ações da Petrobras e do Banco do Brasil dispararam mais de 3%. Os papéis do Itaú Unibanco, do Bradesco e da mineradora Vale também registraram ganhos. Essas empresas têm grande peso sobre o índice. (Com Reuters) Leia Mais

Dólar despenca quase 4% e fecha a R$ 3,257, após disparada na véspera

dólar comercial despencou 3,89% e fechou esta sexta-feira (19) cotado a R$ 3,257 na venda. Essa é a maior queda percentual diária desde 10 de maio de 2010, quando o dólar caiu 4%. Na véspera, a moeda norte-americana havia disparado 8,15%, no maior salto desde janeiro de 1999, quando o câmbio deixou de ser controlado pelo governo. Apesar de subir no dia, o dólar encerra a semana com alta acumulada de 4,26%. O mercado ainda repercutia as denúncias contra o presidente Michel Temer feitas por Joesley Batista, um dos sócios da JBS. Na noite da última quinta-feira, o conteúdo das gravações feitas pelo empresário em conversas com o presidente foi divulgado, mas não é conclusivo se, de fato, Temer autorizou a compra do silêncio do ex-deputado Eduardo Cunha. (Com Reuters) Leia Mais

Principais Bolsas da Europa fecham em alta; Portugal avança 2%

AS principais Bolsas de Valores da Europa fecharam em alta nesta sexta-feira (19), após sofrerem fortes perdas nesta semana provocadas pela turbulência política nos Estados Unidos. O índice FTSEurofirst 300 subiu 0,55%, a 1.539 pontos, enquanto o índice pan-europeu STOXX 600 ganhou 0,6%, a 392 pontos, porém não o suficiente para reverter a pior semana em seis meses. Veja o desempenho dos principais mercados europeus nesta sessão:

  • Portugal: +2,03%
  • Espanha: +1,41%
  • Itália: +1,26%
  • França: +0,66%
  • Inglaterra: +0,46%
  • Alemanha: +0,39% (Com Reuters)
     Leia Mais

Dólar despenca mais de 3%, perto de R$ 3,26; Bolsa opera em alta de 1,5%

dólar comercial despencava, e a Bolsa operava em alta nesta sexta-feira (19). Por volta das 16h20, a moeda norte-americana se desvalorizava 3,83%, a R$ 3,259 na venda. No mesmo horário, o Ibovespa, principal índice da Bolsa brasileira, avançava 1,56%, a 62.560,7 pontos. Na noite de ontem, foi divulgada a conversa do presidente Michel Temer com o delator Joesley Batista, um dos sócios da JBS. Batista acusa o presidente de autorizar pagamentos para silenciar o ex-deputado Eduardo Cunha, o que Temer nega. O áudio é inconclusivo sobre o silenciamento de Cunha, mas mostra que o empresário contou ao presidente que subornava um procurador. Ao longo da quinta, houve forte turbulência após o jornal "O Globo" antecipar as informações da conversa. Também antes da divulgação do áudio, Temer fez um pronunciamento em que negou as acusações e disse que não vai renunciar(Com Reuters)

Dólar despenca mais de 3%, perto de R$ 3,26; Bolsa opera em alta

dólar comercial despencava, e a Bolsa operava em alta nesta sexta-feira (19). Por volta das 15h30, a moeda norte-americana se desvalorizava 3,79%, a R$ 3,261 na venda. No mesmo horário, o Ibovespa, principal índice da Bolsa brasileira, avançava 1,63%, a 62.601,32 pontos. Na noite de ontem, foi divulgada a conversa do presidente Michel Temer com o delator Joesley Batista, um dos sócios da JBS. Batista acusa o presidente de autorizar pagamentos para silenciar o ex-deputado Eduardo Cunha, o que Temer nega. O áudio é inconclusivo sobre o silenciamento de Cunha, mas mostra que o empresário contou ao presidente que subornava um procurador. Ao longo da quinta, houve forte turbulência após o jornal "O Globo" antecipar as informações da conversa. Também antes da divulgação do áudio, Temer fez um pronunciamento em que negou as acusações e disse que não vai renunciar(Com Reuters)

Dólar cai quase 3%, perto de R$ 3,29; Bolsa opera em alta de 2%

O dólar comercial caía, e a Bolsa operava em alta nesta sexta-feira (19). Por volta das 14h15, a moeda norte-americana tinha baixa de 2,95%, a R$ 3,289 na venda. No mesmo horário, o Ibovespa, principal índice da Bolsa brasileira, avançava 2,09%, a 62.884,02 pontos. Na noite de ontem, foi divulgada a conversa do presidente Michel Temer com o delator Joesley Batista, um dos sócios da JBS. Batista acusa o presidente de autorizar pagamentos para silenciar o ex-deputado Eduardo Cunha, o que Temer nega. O áudio é inconclusivo sobre o silenciamento de Cunha, mas mostra que o empresário contou ao presidente que subornava um procurador. Ao longo da quinta, houve forte turbulência após o jornal "O Globo" antecipar as informações da conversa. Também antes da divulgação do áudio, Temer fez um pronunciamento em que negou as acusações e disse que não vai renunciar. (Com Reuters)

Dólar cai mais de 3%, vendido perto de R$ 3,28; Bolsa opera em alta

O dólar comercial caía, e a Bolsa operava em alta nesta sexta-feira (19). Por volta das 13h20, a moeda norte-americana recuava 3,24%, a R$ 3,279 na venda. No mesmo horário, o Ibovespa, principal índice da Bolsa brasileira, avançava 2,51%, a 63.145,38 pontos. Na noite de ontem, foi divulgada a conversa do presidente Michel Temer com o delator Joesley Batista, um dos sócios da JBS. Batista acusa o presidente de autorizar pagamentos para silenciar o ex-deputado Eduardo Cunha, o que Temer nega. O áudio é inconclusivo sobre o silenciamento de Cunha, mas mostra que o empresário contou ao presidente que subornava um procurador. Ao longo da quinta, houve forte turbulência após o jornal "O Globo" antecipar as informações da conversa. Também antes da divulgação do áudio, Temer fez um pronunciamento em que negou as acusações e disse que não vai renunciar. (Com Reuters)

Dólar cai 3%, vendido perto de R$ 3,29; Bolsa opera em alta

O dólar comercial caía, e a Bolsa operava em alta nesta sexta-feira (19). Por volta das 12h20, a moeda norte-americana recuava 2,99%, a R$ 3,288 na venda. No mesmo horário, o Ibovespa, principal índice da Bolsa brasileira, avançava 2,86%, a 63.355,7 pontos. Na noite de ontem, foi divulgada a conversa do presidente Michel Temer com o delator Joesley Batista, um dos sócios da JBS. Batista acusa o presidente de autorizar pagamentos para silenciar o ex-deputado Eduardo Cunha, o que Temer nega. O áudio é inconclusivo sobre o silenciamento de Cunha, mas mostra que o empresário contou ao presidente que subornava um procurador. A conversa foi divulgada depois do fechamento dos mercados. Ao longo da quinta, houve forte turbulência após o jornal "O Globo" antecipar as informações da conversa. Também antes da divulgação do áudio, Temer fez um pronunciamento em que negou as acusações e disse que não vai renunciar. (Com Reuters)

Banco Central faz intervenção e realiza novo leilão de dólar

Diante do cenário político bastante sensível, o BC (Banco Central) reforçou sua atuação no câmbio. Fez novo leilão de swap cambial tradicional (equivalentes à venda futura de moedas) para rolagem do vencimento de junho, no qual vendeu todos os 8.000 contratos ofertados. O BC também vendeu o total de 40 mil novos contratos em um leilão extra que se repetirá ainda pelos próximos dois pregões. (Com Reuters)

Fitch vê incerteza na recuperação e mantém Brasil em grau especulativo

A agência de classificação de risco Fitch manteve nesta sexta-feira (19) a nota de crédito do Brasil em grau especulativo, citando incertezas na recuperação da economia e fraqueza estrutural das finanças. A perspectiva continua negativa, o que significa que pode haver rebaixamentos do rating nos próximos meses se a agência entender que as condições apontadas não melhoraram. A nota foi mantida em "BB", segundo degrau abaixo do grau de investimento (categoria atribuída a países considerados de menor risco de calote, que, por isso, obtêm financiamento com juros menores). (Com Folha) Leia Mais

Ações da JBS operam em queda, após despencarem 9,68% na véspera

As ações da JBS, empresa no centro das denúncias envolvendo o presidente Michel Temer, operavam em queda nesta sexta-feira (19), após despencarem 9,68% na véspera. Por volta das 11h30, os papéis da JBS (JBSS3) caíam 0,35%, a R$ 8,55. Na noite de quarta-feira (17), o jornal "O Globo" publicou que Joesley Batista, um dos sócios da JBS, gravou uma conversa em que Temer autoriza pagamentos para silenciar o ex-deputado Eduardo Cunha, preso desde outubro. Em pronunciamento na tarde desta quinta, o presidente negou ter dado aval à compra de silêncio e disse que não renunciará ao cargo. (Com Reuters)

ADRs de Petrobras e Vale sobem com força no mercado à vista

As ADRs (American Depositary Receipts, equivalente às ações na Bovespa) de Petrobras e Vale operam em forte alta nos negócios à vista em Nova York nesta sexta-feira (19), como já vinham fazendo no pré-mercado. Por volta das 10h45 (no horário de Brasília), a ADR da Petrobras avançava cerca de 5,4%, enquanto a da Vale subia 5,6%. Na quinta-feira, 18, as ADRs da petrolífera sofreram um tombo de 21,47% e os da mineradora caíram 6,32%, na esteira do escândalo envolvendo o presidente Michel Temer. (Com Estadão Conteúdo) Leia Mais

Dólar cai mais de 3%, vendido perto de R$ 3,28; Bolsa opera em alta

O dólar comercial caía, e a Bolsa operava em alta nesta sexta-feira (19). Por volta das 11h20, a moeda norte-americana recuava 3,27%, a R$ 3,278 na venda. No mesmo horário, o Ibovespa, principal índice da Bolsa brasileira, avançava 2,81%, a 63.325,31 pontos. Na noite de ontem, foi divulgada a conversa do presidente Michel Temer com o delator Joesley Batista, um dos sócios da JBS. Batista acusa o presidente de autorizar pagamentos para silenciar o ex-deputado Eduardo Cunha, o que Temer nega. O áudio é inconclusivo sobre o silenciamento de Cunha, mas mostra que o empresário contou ao presidente que subornava um procurador. A conversa foi divulgada depois do fechamento dos mercados. Ao longo da quinta, houve forte turbulência após o jornal "O Globo" antecipar as informações da conversa. Também antes da divulgação do áudio, Temer fez um pronunciamento em que negou as acusações e disse que não vai renunciar. (Com Reuters)

Dólar cai mais de 2%, vendido perto de R$ 3,31; Bolsa opera em alta

O dólar comercial caía, e a Bolsa operava em alta nesta sexta-feira (19). Por volta das 10h15, a moeda norte-americana recuava 2,47%, a R$ 3,305 na venda. No mesmo horário, o Ibovespa, principal índice da Bolsa brasileira, avançava 1,68%, a 62.632,27 pontos. O Banco Central irá manter a oferta de até 8.000 swaps cambiais tradicionais (equivalentes à venda futura de moedas) para rolagem do vencimento e também leiloará swaps diariamente até o próximo dia 23, ofertando até 40 mil novos contratos em cada atuação. O Tesouro Nacional também anunciou intervenção e fará leilões de compra e venda de títulos públicos. Na noite de ontem, foi divulgada a conversa do presidente Michel Temer com o delator Joesley Batista, um dos sócios da JBS. Batista acusa o presidente de autorizar pagamentos para silenciar o ex-deputado Eduardo Cunha, o que Temer nega. O áudio é inconclusivo sobre o silenciamento de Cunha, mas mostra que o empresário contou ao presidente que subornava um procurador. A conversa foi divulgada depois do fechamento dos mercados. Ao longo da quinta, houve forte turbulência após o jornal "O Globo" antecipar as informações da conversa. Também antes da divulgação do áudio, Temer fez um pronunciamento em que negou as acusações e disse que não vai renunciar. (Com Reuters)

16 mais ricos do Brasil perdem US$ 6,2 bi com crise de Temer

A nova crise política no Brasil esmagou o valor de ativos brasileiros e custou às dezesseis pessoas mais ricas do país US$ 6,2 bilhões na quinta-feira (18), de acordo com o Índice Bloomberg Billionaires. Ações, títulos e o real caíram após o jornal O Globo ter noticiado suposto aval de Michel Temer para compra do silêncio de Eduardo Cunha. O bilionário Joseph Safra, fundador do Banco Safra, sofreu a maior perda, de mais de US$ 1 bilhão. Jorge Lemann, a pessoa mais rica do Brasil e um dos três parceiros bilionários por trás da empresa de private equity 3G Capital, perdeu US$ 930 milhões. (Com Bloomberg) Leia Mais

Dólar e ações da Bolsa devem seguir instáveis

A instabilidade no dólar e nas ações da Bolsa deve continuar intensa nesta sexta-feira (19). Houve exagero na quinta-feira (18), com a disparada do dólar (8,15%) e o desabamento da Bolsa (-8,8%), e isso terá de voltar ao normal em algum momento, com dólar caindo e Bolsa subindo. Mas especialistas acreditam que o nervosismo ainda pode persistir nesses próximos dias. "O investidor não quer saber de fundamento (resultado de empresas e dados econômicos). O foco está todo voltado para a política", afirma o diretor de operações da corretora Mirae Asset, Pablo Spyer. Leia Mais

Risco Brasil subiu quase 30% após pronunciamento de Temer

O Risco Brasil medido pelo indicador CDS (Credit Default Swap) - um tipo de seguro contra calote - operou em forte alta nesta quinta-feira (18) e chegou aos 269 pontos após o pronunciamento do presidente Michel Temer, o que representa alta de 28,7% em relação ao nível do fim da tarde de quarta-feira. No dia 15 de maio, o CDS de cinco anos havia fechado abaixo de 200 pontos pela primeira vez no governo de Temer, a 199,32 pontos. Esse foi o menor patamar desde 26 de janeiro de 2015. O movimento era uma resposta ao otimismo do mercado com o andamento de reformas e pela expectativa de melhora da atividade econômica. (Com Estadão Conteúdo) Leia Mais

Após disparar 8% na véspera, dólar abre em queda de 1,4%, a R$ 3,34

Após disparar 8,15% na véspera, no maior salto desde janeiro de 1999, o dólar comercial abriu os negócios desta sexta-feira (19), por volta das 9h10, operando em queda de 1,44%, vendido perto de R$ 3,34. Na tentativa de conter a alta da moeda, o Banco Central anunciou forte intervenção no mercado. Além de manter a oferta de até 8.000 swaps cambiais tradicionais (equivalentes à venda futura de moedas) para rolagem do vencimento, também leiloará swaps diariamente até o próximo dia 23, ofertando até 40 mil novos contratos em cada atuação. O Tesouro Nacional também anunciou intervenção e fará leilões de compra e venda de títulos públicos. Na noite de ontem, foi divulgada a conversa do presidente Michel Temer com o delator Joesley Batista, um dos sócios da JBS. Batista acusa o presidente de autorizar pagamentos para silenciar o ex-deputado Eduardo Cunha, o que Temer nega. O áudio é inconclusivo sobre o silenciamento de Cunha, mas mostra que o empresário contou ao presidente que subornava um procurador. A conversa foi divulgada depois do fechamento dos mercados. Ao longo da quinta, houve forte turbulência após o jornal "O Globo" antecipar as informações da conversa. Também antes da divulgação do áudio, Temer fez um pronunciamento em que negou as acusações e disse que não vai renunciar. (Com Reuters) 

Bolsa da China fecha semana em alta, após cinco quedas seguidas

A maioria das Bolsas da Ásia fechou em alta nesta sexta-feira (19), apesar da cautela com a turbulência política nos Estados Unidos. A Bolsa da China teve pouca variação e encerrou a semana em alta, após cinco semanas seguidas de queda, com a injeção de recursos no mercado financeiro pelo banco central compensando as preocupações com o crescimento econômico. Veja as variações dos mercados da região:

  • Japão: +0,19%
  • Hong Kong: +0,15%
  • China: +0,03%
  • Coreia do Sul: +0,07%
  • Taiwan: -0,22%
  • Cingapura: -0,15%
  • Austrália: -0,19%. (Com Reuters)
Leia Mais

Conversor de moedas

Resultado:

Câmbio

Dólar comercial - 20/10/2017 17h00
Compra Venda Variação
Dólar com. 3,1889 3,1898 +0,44%
Dólar tur. 3,0600 3,3200 +0,61%
Euro 3,7615 3,7630 +0,18%
Libra 4,2100 4,2119 +0,98%
Pesos arg. 0,1833 0,1834 +0,99%

Fonte Thompson Reuters

Veja outras cotações

Bolsas de Valores

Bovespa - 20/10/2017 18h21 - 76.390,52
Variação
Brasil | Bovespa +0,14%
EUA | Nasdaq +0.36%
França | CAC 40 +0.08%
Japão | Nikkei +0.04%

Fonte Thompson Reuters

Veja outras cotações

Ações em destaque

Ação Variação Cotação
Veja outras cotações

Commodities

Venda Variação
Petróleo (Brent) US$ 58,400 0,0%
Ouro US$ 1281,120 0,0%
Prata US$ 17,089 0,0%
Platina US$ 927,750 0,0%
Paládio US$ 980,000 0,0%

Fonte Thompson Reuters

Inflação

Índice Mês Valor
IPCA set.17 +0,16%
IPC-Fipe set.17 +0,02%
IGP-M set.17 +0,47%
INPC set.17 -0,02%

Fonte Thompson Reuters

Indicadores

Valor Atualização
Salário Mínimo R$ 937,00 2017
Global 40 +112,32% 22.Out.2017
TR 0,0% 22.Out.2017
CDI +8,14% 22.Out.2017
SELIC +8,25% 06.set.2017
IPCA +0,16% set.17

Fonte Thompson Reuters

Últimas notícias

UOL Cursos Online

Todos os cursos