PUBLICIDADE
IPCA
-0,31 Abr.2020
Topo

Coluna

Carla Araújo


Onyx vai alegar problemas de segurança para atraso de calendário

Onyx Lorenzoni participa de ato a favor de Bolsonaro em Brasília - Reprodução/YouTube
Onyx Lorenzoni participa de ato a favor de Bolsonaro em Brasília Imagem: Reprodução/YouTube
Carla Araújo

Jornalista formada em 2003 pela FIAM, com pós-graduação na Fundação Cásper Líbero e MBA em finanças, começou a carreira repórter de agronegócio e colaborou com revistas segmentadas. Na Agência Estado/Broadcast foi repórter de tempo real por dez anos em São Paulo e também em Brasília, desde 2015. Foi pelo grupo Estado que cobriu o impeachment da presidente Dilma Rousseff. No Valor Econômico, acompanhou como setorista do Palácio do Planalto o fim do governo Michel Temer e a chegada de Jair Bolsonaro à Presidência.

Do UOL, em Brasília

14/05/2020 19h04

O ministro da Cidadania, Onyx Lorenzoni, é conhecido por sua defesa enfática do governo do presidente Jair Bolsonaro e também por algumas promessas que ou não saem do papel ou não são cumpridas exatamente como prometido.

A novela em torno do calendário da segunda parcela do pagamento do auxílio emergencial de R$ 600 está atualmente parada justamente na mesa do ministro. No início desta semana, a assessoria da Cidadania disse que ela sairia na terça-feira. Agora, nos bastidores, avisam que estão correndo para conseguir publicá-la até amanhã (15).

De acordo com um auxiliar do ministro, o problema para o atraso na divulgação do calendário aconteceu por "questões de segurança". "Amanhã vai ficar tudo esclarecido", disse.

Nesta semana, os Ministérios da Defesa (MD) e da Cidadania (MC) informam que, dos quase 1,8 milhão de CPFs constantes da base de dados do MD, 73.242 (4,17%) receberam o auxílio emergencial concedido pelo Governo Federal. Isso inclui militares (ativos e inativos, de carreira e temporários), pensionistas, dependentes e anistiados.

Após a revelação, o Ministério da Cidadania informou que os militares terão que devolver os recursos aos cofres públicos e o Tribunal de Contas da União determinou que o governo inclua no Portal da Transparência as informações de todos os cidadãos contemplados com o auxílio emergencial de R$ 600.

A Caixa já informou que está pronta para fazer os pagamentos, mas que aguarda ordem e as datas do ministério. Fontes do banco também disseram que a promessa é que o documento chegue nesta sexta-feira.

Atraso

O governo chegou a anunciar que a segunda parcela seria paga dia 27 de abril. Depois, prometeu antecipar o pagamento, mas o ministro teve que voltar atrás após ser desautorizado pelo presidente.

Acontece que, ao anunciar a antecipação, o ministro não se ateve ao fato de que o governo precisaria de um crédito suplementar, se não poderia ser enquadrado da Lei de responsabilidade fiscal.

O ministro da Cidadania, Onyx Lorenzoni, garantiu desde o início que as três parcelas do auxílio emergencial de R$ 600 devido à pandemia do novo coronavírus serão garantidas para todos os que se enquadrarem nos requisitos da medida. Agora, os brasileiros mais vulneráveis e que dependem do recurso para enfrentar a crise, esperam que essa palavra seja cumprida.

Carla Araújo