PUBLICIDADE
IPCA
0,64 Set.2020
Topo

Governo trabalha para adiar sessão e evitar derrubada do veto a desoneração

O senador Márcio Bittar (MDB-AC), o deputado Ricardo Barros (PP-PR), o senador Eduardo Gomes (MDB-TO) e o ministro Luiz Eduardo Ramos em reunião - Ricardo Barros/Reprodução
O senador Márcio Bittar (MDB-AC), o deputado Ricardo Barros (PP-PR), o senador Eduardo Gomes (MDB-TO) e o ministro Luiz Eduardo Ramos em reunião Imagem: Ricardo Barros/Reprodução
Carla Araújo

Jornalista formada em 2003 pela FIAM, com pós-graduação na Fundação Cásper Líbero e MBA em finanças, começou a carreira repórter de agronegócio e colaborou com revistas segmentadas. Na Agência Estado/Broadcast foi repórter de tempo real por dez anos em São Paulo e também em Brasília, desde 2015. Foi pelo grupo Estado que cobriu o impeachment da presidente Dilma Rousseff. No Valor Econômico, acompanhou como setorista do Palácio do Planalto o fim do governo Michel Temer e a chegada de Jair Bolsonaro à Presidência.

e Guilherme Mazieiro

29/09/2020 18h26

A articulação do governo avalia que, neste momento, o melhor cenário para evitar derrotas ou desgastes é adiar mais uma vez a sessão do Congresso, marcada para esta quarta-feira (30). Na pauta, os parlamentares podem manter ou derrubar o veto do presidente Jair Bolsonaro ao projeto que estendia a desoneração da folha para alguns setores.

Segundo fontes da articulação do governo, a semana já está ocupada pelas discussões das fontes de renda que o governo quer usar para financiar o programa Renda Cidadã.

Ontem, ao lado de líderes, do ministro Paulo Guedes (Economia) e do presidente Bolsonaro, o relator do Orçamento, Márcio Bittar, afirmou que a ideia é retirar recursos do Fundeb e utilizar precatórios.

A reação negativa - no Congresso e no mercado - fez com que o governo avaliasse que é melhor não contaminar a avaliação do veto.

O ambiente que está sendo construído é para que a sessão do Congresso seja mantida, mas que os vetos da desoneração e do saneamento não sejam apreciados. Ainda não há consenso sobre as pautas e no cenário atual os vetos seriam derrubados.

A proposta vetada por Bolsonaro permite que empresas de 17 setores paguem contribuição previdenciária calculada sobre faturamento em vez de 20% sobre a folha de salários. O benefício será extinto a partir de janeiro de 2021 e uma prorrogação até dezembro do ano que vem foi incluída na MP 936, mas foi vetado pelo presidente.

Entre os setores beneficiados pela proposta estão de serviços de tecnologia, de calçados, de máquinas, call center e comunicação, têxtil e a construção civil.

Cadê o PLN?

Outro acordo que o governo tenta fechar para ser analisado no Congresso é sobre o plano Pró-Brasil. A ideia é retomar obras, mas para isso é necessário enviar ao Congresso um PLN (projeto de lei) para remanejar o orçamento de ministérios para as pastas de Desenvolvimento Regional e Infraestrutura.

Esse acordo já chegou a ser fechado e é aguardado pelos ministros. Mas como o orçamento está apertado, há resistência interna no governo para definir o valor e quem vai perder.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.