PUBLICIDADE
IPCA
+0,53 Jun.2021
Topo

Carla Araújo

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Ministro fará pronunciamento para pedir que brasileiros economizem energia

Bento Albuquerque, ministro de Minas e Energia - PILAR OLIVARES
Bento Albuquerque, ministro de Minas e Energia Imagem: PILAR OLIVARES
Carla Araújo

Jornalista formada em 2003 pela FIAM, com pós-graduação na Fundação Cásper Líbero e MBA em finanças, começou a carreira repórter de agronegócio e colaborou com revistas segmentadas. Na Agência Estado/Broadcast foi repórter de tempo real por dez anos em São Paulo e também em Brasília, desde 2015. Foi pelo grupo Estado que cobriu o impeachment da presidente Dilma Rousseff. No Valor Econômico, acompanhou como setorista do Palácio do Planalto o fim do governo Michel Temer e a chegada de Jair Bolsonaro à Presidência.

Do UOL, em Brasília

28/06/2021 13h32

O ministro de Minas e Energia, almirante Bento Albuquerque, fará um pronunciamento nesta segunda-feira (28) em cadeia nacional de rádio e TV para, entre outros temas, pedir conscientização da população para o uso da água e da energia.

O país atravessa uma das suas maiores crises hídricas, especialistas destacam o aumento na conta de luz e o governo se esforça em negar qualquer possibilidade de um apagão.

Na semana passada, em audiência na Câmara dos Deputados, Bento voltou a negar o risco de racionamento e disse que o governo não trabalha com essa hipótese, pois os órgãos setoriais monitoram o setor elétrico 24 horas por dia.

A assessoria do ministério confirma que o pronunciamento está previsto para acontecer nesta segunda-feira, às 20 horas, mas não adiantou o tema.

Fontes ouvidas pela coluna afirmam que o ministro deve destacar a aprovação da MP da Eletrobras e também fazer o apelo para que os brasileiros tenham cautela com desperdícios de energia.

Desde dezembro do ano passado, o governo já gastou R$ 55 milhões na campanha que circula em rádio, TV e internet e pede o uso racional de água e energia. A campanha se encerra no fim deste mês, mas o governo já estuda sua prorrogação.