PUBLICIDADE
IPCA
0,87 Ago.2021
Topo

Carla Araújo

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Ciro diz a Fux que ainda tenta convencer Bolsonaro a abandonar impeachment

Luiz Fux e Ciro Nogueira  seguram Constituição em encontro no STF - reprodução/redes sociais
Luiz Fux e Ciro Nogueira seguram Constituição em encontro no STF Imagem: reprodução/redes sociais
Carla Araújo

Jornalista formada em 2003 pela FIAM, com pós-graduação na Fundação Cásper Líbero e MBA em finanças, começou a carreira repórter de agronegócio e colaborou com revistas segmentadas. Na Agência Estado/Broadcast foi repórter de tempo real por dez anos em São Paulo e também em Brasília, desde 2015. Foi pelo grupo Estado que cobriu o impeachment da presidente Dilma Rousseff. No Valor Econômico, acompanhou como setorista do Palácio do Planalto o fim do governo Michel Temer e a chegada de Jair Bolsonaro à Presidência.

Do UOL, em Brasília

18/08/2021 20h20

Na audiência que teve com o presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), Luiz Fux, nesta quarta-feira (18), o ministro da Casa Civil, Ciro Nogueira (PP-PI), afirmou que fará novas ofensivas para demover o presidente Jair Bolsonaro da ideia de apresentar os pedidos de impeachment contra os ministros Alexandre de Moraes e Luis Roberto Barroso.

Segundo apurou a coluna, Ciro ainda não desistiu da ideia de fazer o presidente recuar, mas admite nos bastidores que a missão não é fácil.

Pelo menos uma coisa - até o momento - Ciro e outros ministros palacianos já conseguiram: impedir que Bolsonaro amplie a crise entre os poderes levando pessoalmente os pedidos de impeachment ao Senado. Segundo auxiliares do presidente, pelo menos até o momento, Bolsonaro concordou em não criar mais um desgaste com o Congresso.

Em agenda no Pará, nesta quarta-feira (18), Bolsonaro afirmou que tem "conselheiros" e que procura "ouvir os mais velhos, os mais experientes, porque bem sei que da minha caneta tudo pode acontecer", disse em evento com evangélicos.

Apesar de querer levar adiante o pedido, o presidente sabe que tem dificuldades jurídicas para embasar as ações e, segundo auxiliares, se ele realmente apresentá-los ao Congresso será muito mais para um efeito "simbólico e político do que jurídico".

No encontro desta quarta-feira no STF, Ciro disse a Fux que apesar do empenho do presidente de levar adiante os pedidos de impeachment, a intenção do governo não é acirrar a crise institucional. E reforçou que ainda tentaria dissuadir Bolsonaro da ideia.

Apesar de se colocar aberto ao diálogo e dizer que nunca rompeu com o Executivo, Fux salientou que é preciso avaliar e aguardar os movimentos futuros do presidente para que a crise seja estancada, justamente por isso não garantiu que retomará a agenda com Bolsonaro e com chefes de outros poderes.

Em nota, a assessoria do Supremo informou que o encontro durou 30 minutos e foi uma "visita de cortesia" pedida pelo ministro logo após a posse dele na Casa Civil.

"No encontro, os dois conversaram sobre a importância do diálogo entre os poderes, e Ciro Nogueira pediu que seja remarcada a reunião entre os chefes de Poder. O Ministro Fux respondeu que reavaliaria a questão", diz a nota.

Ciro, por sua vez, usou as redes sociais para se manifestar publicamente sobre o encontro e afirmou que no encontro houve "consenso sobre o que nos une a todos: Executivo, Legislativo e Judiciário. O Brasil, o nosso futuro, a harmonia entre os Poderes, sintetizados no símbolo que é a nossa Constituição", escreveu na mensagem que postou com uma foto em que ele e o presidente do STF seguram a Constituição.

PUBLICIDADE