PUBLICIDADE
IPCA
0,87 Ago.2021
Topo

Carla Araújo

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Bolsonaro não deve aceitar convite de governadores para reunião de Poderes

23.ago.2021 - O presidente Jair Bolsonaro em entrevista à Rádio Nova Regional (Vale do Ribeira/SP) - Reprodução/Facebook/Jair Messias Bolsonaro
23.ago.2021 - O presidente Jair Bolsonaro em entrevista à Rádio Nova Regional (Vale do Ribeira/SP) Imagem: Reprodução/Facebook/Jair Messias Bolsonaro
Carla Araújo

Jornalista formada em 2003 pela FIAM, com pós-graduação na Fundação Cásper Líbero e MBA em finanças, começou a carreira repórter de agronegócio e colaborou com revistas segmentadas. Na Agência Estado/Broadcast foi repórter de tempo real por dez anos em São Paulo e também em Brasília, desde 2015. Foi pelo grupo Estado que cobriu o impeachment da presidente Dilma Rousseff. No Valor Econômico, acompanhou como setorista do Palácio do Planalto o fim do governo Michel Temer e a chegada de Jair Bolsonaro à Presidência.

Do UOL, em Brasília

24/08/2021 14h56

Auxiliares do presidente Jair Bolsonaro disseram não ver a mínima chance de o presidente Jair Bolsonaro sentar à mesa com os 27 governadores, o que incluiria inclusive receber o governador de São Paulo, João Doria (PSDB).

A avaliação feita no Palácio do Planalto é de que os governadores "jogaram para a plateia" com ofícios enviados a todos os presidentes de Poderes solicitando uma reunião conjunta e que mesmo do lado deles já se sabia da dificuldade de um encontro que reúna todos.

O presidente tem dito a aliados que não se nega a dialogar, mas avalia que no grupo de governadores "há só quatro ou cinco bem intencionados" e o restante "quer aparecer e tentar capitalizar a ação politicamente".

Assessores diretos do presidente o defendem em relação ao pedido de impeachment do ministro do STF Alexandre de Moraes e afirmam que, "como qualquer cidadão", ele tem esse direito. Mesmo com a continuação do presidente em seus discursos que atingem outros poderes, como a insistência em fraude na urna eletrônica, interlocutores tentam negar que o presidente esteja esticando a corda.

Um passo de cada vez

Para assessores de Bolsonaro, o ideal seria conseguir inicialmente retomar a reunião do presidente com o presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), Luiz Fux, que incluiria também os presidentes do Senado, Rodrigo Pacheco, e da Câmara, Arthur Lira.

No Planalto, assessores destacam ainda a resistência de Fux, que mesmo com o apelo do presidente de Pacheco, e do ministro da Casa Civil, Ciro Nogueira, ainda não sinalizou que remarcará o encontro. Fux e Bolsonaro chegaram a acertar presencialmente a reunião entre os Poderes. Ela aconteceria no dia 14 de julho, mas o presidente acabou sendo hospitalizado.

Nas palavras de um auxiliar de Bolsonaro, para tentar arrefecer a tensão entre os Poderes, o ideal seria que a conversa entre os quatro —Bolsonaro, Fux, Lira e Pacheco— fosse em uma mesa redonda, para "que ninguém ficasse na cabeceira".

PUBLICIDADE