PUBLICIDADE
IPCA
1,25 Out.2021
Topo

Carla Araújo

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Ameaça de debandada na equipe de Guedes fez governo adiar auxílio de R$ 400

29 set. 2021 - Ministro da Economia, Paulo Guedes - Wilson Dias/Agência Brasil
29 set. 2021 - Ministro da Economia, Paulo Guedes Imagem: Wilson Dias/Agência Brasil
Carla Araújo

Jornalista formada em 2003 pela FIAM, com pós-graduação na Fundação Cásper Líbero e MBA em finanças, começou a carreira repórter de agronegócio e colaborou com revistas segmentadas. Na Agência Estado/Broadcast foi repórter de tempo real por dez anos em São Paulo e também em Brasília, desde 2015. Foi pelo grupo Estado que cobriu o impeachment da presidente Dilma Rousseff. No Valor Econômico, acompanhou como setorista do Palácio do Planalto o fim do governo Michel Temer e a chegada de Jair Bolsonaro à Presidência.

Do UOL, em Brasília

19/10/2021 17h50Atualizada em 19/10/2021 20h04

Ontem à noite, em uma longa reunião no Palácio da Alvorada o ministro da Economia, Paulo Guedes, teve que jogar a toalha e aceitar a proposta de Plano B para o novo Auxílio Brasil, com parte dos recursos fora do teto.

Segundo apurou a coluna, Guedes disse que, mesmo contra a proposta, aceitaria os argumentos da maioria. O time dos ministros políticos pedia soluções para o benefício social, diante da proximidade do fim do auxílio emergencial e com dificuldades de aprovação das matérias no Congresso, principalmente em relação à reforma do IR (Imposto de Renda).

A ala política da reunião, representada por Ciro Nogueira (Casa Civil), Flávia Arruda (Secretaria de Governo) e João Roma (Cidadania), conseguiu convencer o presidente de que o anúncio tinha que ser feito o quanto antes.

Bruno Funchal, secretário do Tesouro Nacional - Edu Andrade/Ministério da Economia - Edu Andrade/Ministério da Economia
Bruno Funchal, secretário especial do Tesouro e Orçamento
Imagem: Edu Andrade/Ministério da Economia

Depois disso, nesta terça-feira (19), quando Guedes comunicou à sua equipe que eles teriam que tirar do papel a proposta de um auxílio de R$ 400, houve reação de pelo menos dois de seus secretários: Bruno Funchal (secretário especial do Tesouro e Orçamento) e Jeferson Bittencourt (secretário do Tesouro Nacional).

Nas palavras de um auxiliar de Bolsonaro, "os homens que têm a chave do cofre ameaçaram pedir demissão".

A informação da suposta ameaça de debandada da equipe de Guedes foi confirmada à coluna por fontes do Palácio do Planalto. Elas informaram que, ao longo do dia, o evento de lançamento do Auxílio Brasil chegou a "ser cancelado" e "remarcado" várias vezes.

O Palácio do Planalto não chegou a informar oficialmente o evento, mas, como mostrou a coluna, ministros receberam hoje o aviso da cerimônia. Pouco antes do horário marcado, o evento foi cancelado.

No Ministério da Economia, pelo menos uma fonte disse que "desconhecia" qualquer informação sobre a ameaça de demissão dos secretários. Segundo essa fonte, a decisão do adiamento estaria ligada à reação do mercado financeiro ao programa, que foi negativa. A Bolsa tombou 3,28% hoje, e o dólar comercial fechou em alta de 1,33%, a R$ 5,594 na venda.

Guedes em situação frágil

Interlocutores de Bolsonaro dizem que o embate entre ala política e econômica nunca foi novo, mas que, em um momento de fragilidade de Guedes, por causa do caso das offshores, o ministro precisaria fazer concessões.

A existência da offshore ligada a Guedes foi revelada pelo projeto "Pandora Papers", do ICIJ (Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos). O ministro tem desde 2014 uma offshore nas Ilhas Virgens Britânicas com US$ 9,54 milhões (mais de R$ 52,9 milhões, na cotação atual).

A existência de uma offshore não configura necessariamente um crime. No entanto, parlamentares têm alegado que pode existir um conflito de interesses na manutenção dessas operações enquanto Guedes ocupa o cargo responsável por gerir as políticas econômica e cambial do país.

PUBLICIDADE