Graciliano Rocha

Graciliano Rocha

Siga nas redes
Opinião

Muito antes do padre Júlio, Irmã Dulce também foi perseguida por vereador

A tentativa de tornar o padre Júlio Lancelotti, vigário da Pastoral do Povo de Rua, alvo de uma CPI em ano eleitoral é o mais recente episódio de uma longa lista de investidas de políticos de baixo clero contra religiosos, movidas pelo interesse político imediato. Nem santo escapa.

Em 1984, Irmã Dulce (1914-1992) foi alvo de "acusação" de se apropriar de recursos públicos destinados ao custeio do hospital que ela construíra e liderava na capital baiana. A acusação vai entre aspas por causa da sua precariedade.

A denúncia, genérica, afirmava que ela recebia recursos do Inamps (Instituto Nacional de Assistência Médica da Previdência Social) e não os repassava para atividade-fim, o cuidado de pacientes internados. O autor da denúncia era um vereador que subiu à tribuna da Câmara de Vereadores da cidade. Era mentira da grossa.

Irmã Dulce teve pouco trabalho para isolar o aproveitador: mostrou os livros de contabilidade do Hospital Santo Antônio e de sua entidade mantenedora, as Obras Sociais Irmã Dulce, a jornalistas e vereadores. A lorota morreu de inanição.

Sucessivos presidentes da República e governadores da Bahia desde 1950 destinaram verbas para obras de construção e ampliação do hospital, mas Irmã Dulce sempre rejeitou ofertas de entes públicos para bancar o custeio do hospital.

O medo era que, ao receber dinheiro público para as operações, o Estado introduzisse também critérios que excluíssem as pessoas mais pobres de Salvador - a razão de existência daquela obra social.

Hoje pouca gente se lembra, mas antes da criação do SUS (Sistema Único de Saúde) só tinham direito a atendimento gratuito em hospitais públicos ou conveniados com o governo pessoas com carteira assinada. Os demais dependiam de hospitais tocados por entidades filantrópicas, como as Santas Casas ou por religiosos.

Irmã Dulce resistiu o quanto pôde à entrada de dinheiro do governo no hospital e só foi convencida a aceitar recursos do SUS, já no final da vida, quando o diretor do hospital Santo Antônio, Taciano de Campos, que também era seu médico pessoal, convenceu-a que o local já estava atendendo 80% dos pacientes do SUS e só não estava sendo remunerado por isso. Desconfiada e a contragosto, a freira aceitou a adesão.

A tentativa de levar o padre Júlio Lancelotti à CPI repete o método de criar uma desconfiança primeiro e tentar obter ganho eleitoral depois. No caso de Irmã Dulce, o difamador não foi reeleito.

Continua após a publicidade

***

Há similaridades e diferenças importantes entre os trabalhos pastorais de Irmã Dulce na Salvador do século 20 e do padre Júlio Lancelotti na São Paulo dos dias de hoje. A multiplicação da pobreza tornou os dois figuras públicas importantes, cortejadas e ao mesmo tempo temidas por políticos.

Entre 1920 e 1991, período que compreende a maior parte da vida da freira, a população de Salvador multiplicou-se por sete, sem que a cidade tenha se industrializado ou gerado empregos no ritmo das cidades do Sul e do Sudeste.

O resultado foi a eclosão de invasões, que é como muitos baianos ainda hoje chamam as favelas.

Os barracos precários foram fincados na terra invadida tanto pelo sertanejo deportado a Salvador por sucessivas secas no interior entre os anos 1940 e 1970. Eles se juntaram ao grande contingente de descendentes de ex-escravizados abandonados à própria sorte após a Abolição (1888).

Continua após a publicidade

Dessas, a maior chaga urbana foi sem dúvida Alagados, batizada assim porque os pobres invadiram o leito do mar com palafitas, sujeitando-se às mais insalubres condições sanitárias da capital baiana à medida que o sobe-desce da maré era um vetor de doenças.

Foi a esse povo rejeitado que Irmã Dulce se dirigiu entre os anos 1950 e 1980, quase que diariamente para levar mantimentos, remédios, tratar doentes, dar vacinas, batizar crianças e prover, com o pouco que tinha em mãos, tudo aquilo que o Estado lhes negava.

Neste período da vida da freira, esses mantimentos e remédios vinham tanto de doações de pessoas comuns quanto de entidades católicas internacionais.

A explosão da pobreza nas ruas de São Paulo após a pandemia, agravando uma situação de caos social que persiste há décadas na cidade mais rica do país, também aumentou a projeção de Júlio Lancelotti.

***

Assim como a freira baiana, o padre Júlio é um hábil mobilizador de doações de anônimos e famosos para a causa dos pobres a quem assiste.

Continua após a publicidade

No campo terreno, o grande milagre de Irmã Dulce foi atrair o interesse de poderosos da política e do empresariado - como Norberto Odebrecht (1920-2014), José Sarney e Antonio Carlos Magalhães (1927-2007) - para a causa dos mais pobres. Foi graças à adesão deles à freira, e não o contrário, que Irmã Dulce ergueu a sua obra social.

Mas há diferenças importantes em como Irmã Dulce e padre Júlio entendem a pobreza com que lidam diariamente.

Nascida em 1914, poucas semanas antes da eclosão da Primeira Guerra Mundial e morta em 1992, meses após o colapso da União Soviética, Irmã Dulce foi fruto da mentalidade predominante no catolicismo na maior parte do século 20.

A freira rejeitava a luta de classes e pregava uma conciliação. Irmã Dulce morreu acreditando que a existência de ricos e pobres era um desígnio divino e a equação da desigualdade seria resolvida após a morte.

A visão da igreja progressista nos dias atuais, a que se filia o padre Júlio, está muito distante da doutrina social do catolicismo da formação de Irmã Dulce. A começar porque o comunismo perdeu status de principal inimigo do catolicismo a partir do concílio Vaticano Segundo (1962-1965). Com o fim da Guerra Fria, o chamado "socialismo real" da União Soviética e seus satélites foi rebaixado à condição de entulho.

O vento que sopra na Santa Sé hoje reabilitou religiosos críticos de ditaduras de direita, que haviam sido escanteados ao longo do pontificado de João Paulo 2º (1978-2005).

Continua após a publicidade

O processo de canonização do bispo Óscar Romero (1917-1980), morto por pistoleiros a serviço da ditadura de El Salvador, ficou parado por décadas em função das intrigas que o ligavam à Teologia da Libertação - corrente a que o jesuíta nunca pertenceu.

O papa Francisco declarou-o santo em 2019, mesmo ano em que a baiana Irmã Dulce também foi canonizada. Isso mostra que a política de canonizações do Vaticano nem sempre pode ser enquadrada em conceitos enganosos de direita e esquerda.

***
Na tentativa de enroscar o padre na confusão política promovida pela Câmara de Vereadores, o arcebispo de São Paulo, dom Odilo Scherer, agiu rápido para debelar o oportunismo político.

Dom Odilo jamais foi acusado de ser comunista. Nem de insensato. Tem tamanho prestígio na Igreja que seu nome foi cotado para suceder tanto João Paulo 2º, em 2005, quanto Bento 16, em 2013.

Quando os agressores do padre Júlio Lancelotti em redes sociais também acusaram dom Odilo de querer abafar a "investigação" sobre o padre, o arcebispo repôs a bola no chão com o seu estilo lacônico:

"Não estou querendo 'abafar' coisa nenhuma. Querem fazer a CPI das ONGs? Pois façam!", escreveu em rede social. E em seguida repisou o óbvio: por que investigar um padre que não recebe recursos públicos?

Continua após a publicidade

Em abril de 2021, quando foi perguntado sobre o trabalho social do padre Júlio em uma entrevista ao Roda Viva (TV Cultura), o arcebispo tratou de jogar água fria nos que gostariam de ver o sacerdote canonizado antes da hora. Segundo ele, o trabalho não é do padre Júlio, mas da arquidiocese.

Em janeiro de 2023, num contexto inteiramente diferente, usou a mesmíssima frase para proteger o padre dos ataques políticos: "O padre faz seu trabalho em nome da arquidiocese de São Paulo".

PS: O colunista é autor da biografia "Irmã Dulce, a Santa dos Pobres" (ed. Planeta).

Opinião

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes