Bolsas

Câmbio

Terceirizados trabalham 3h a mais e ganham 25% menos, aponta estudo da CUT

Carlos Madeiro

Do UOL, em Maceió

Estudo elaborado pela CUT (Central Única dos Trabalhadores) afirma que os trabalhadores terceirizados recebem 25% menos em salários, trabalham 7,5% (3 horas) a mais que outros empregados e ainda ficam menos de metade de tempo no emprego.

Na noite dessa quarta-feira (8), a Câmara dos Deputados aprovou projeto de lei que permite que empresas terceirizem não só atividades-meio (funções de apoio ao negócio central da empresa, como limpeza e vigilância), mas também as atividades-fim (por exemplo, a fabricação de carros, no caso de uma montadora). 

O levantamento "Terceirização e desenvolvimento, uma conta que não fecha", divulgado nessa quarta-feira, aponta os seguintes dados:

  • Salário médio dos terceirizados em 2013: R$ 1.776,78 (25% menor que os R$ 2.361,15 dos contratados diretamente)
  • 57% dos terceirizados recebiam até dois salários mínimos (nas demais empresas, são 49,3%)
  • Jornada média de trabalho dos terceirizados é de 43 horas/semana (7,5% mais que as 40 horas dos contratados)
  • No país, há 47,4 milhões de trabalhadores com carteira assinada
  • Desses, 12,7 milhões são terceirizados (dados de 2013)
  • Escolaridade de terceirizados é menor: só 8,7% têm nível superior (entre os contratados diretamente, são 22,7%m, segundo dados de 2014)
  • Rotatividade é maior entre terceirizados: eles ficam em média 2,7 anos no emprego (os contratados ficam mais que o dobro: 5,8 anos)

"Podemos afirmar que a grande maioria dos direitos dos terceirizados é desrespeitada, criando a figura do trabalhador de segunda classe", diz o estudo.

"Se a jornada em setores tipicamente terceirizados fosse igual à jornada de trabalho daqueles que contratam diretamente, seriam criadas 882.959 vagas de trabalho a mais", avalia a CUT.

Estados com mais terceirização

Considerando o total de trabalhadores com carteira assinado por Estado, o estudo mostra as unidades da federação com mais terceirizados percentualmente em relação a esse total. São Paulo lidera:

  • SP: 30,5% de terceirizados entre os trabalhadores do Estado
  • Ceará: 29,7%
  • Rio de Janeiro: 29%
  • SC: 28%
  • ES: 27,1%

Empresários apoiam

A proposta aprovada na Câmara e -que deve seguir para o Senado- é defendida por empresários.

A CNC (Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo), por exemplo, diz que a proposta é "condição imprescindível para que as empresas possam colocar seus produtos no mercado a preço competitivo e, com isso, ajudar o Brasil a sair desta crise inédita e de tamanho imprevisível."

Paulo Skaf, presidente da Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo), afirma que "com a regulamentação do trabalho terceirizado, o Brasil irá se alinhar às mais modernas práticas trabalhistas do mundo."

Os detalhes e a íntegra do texto-base do projeto de lei 4330/2004 podem ser acessados no site da Câmara dos Deputados, no endereço http://zip.net/blq3b7.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos