PUBLICIDADE
IPCA
+0,93 Mar.2021
Topo

FAQ


Como passar em concurso público: como são as provas? Edital tem pegadinha?

Estudar para concurso: especialistas dão dicas de como se preparar - Shutterstock
Estudar para concurso: especialistas dão dicas de como se preparar Imagem: Shutterstock

Allan Nascimento

Colaboração para o UOL, de São Paulo

14/03/2021 04h00

Conseguir um bom emprego é o sonho de todo brasileiro, ainda mais em tempos de crise. Prestar concursos públicos é uma opção para ter um trabalho bem remunerado e com estabilidade (veja vagas com editais abertos por todo o país).

Para ajudar você a se preparar para as principais seleções, respondemos às principais dúvidas sobre concursos públicos a seguir.

Tudo sobre Concursos Públicos

Qual o objetivo de um concurso público?

Hoje, os editais de concursos públicos são obrigatórios para o exercício de diversas funções, segundo estabelece a Constituição Federal. De acordo com Fernando Bentes, diretor acadêmico do Qconcursos, os concursos públicos no Brasil têm como propósito cumprir dois objetivos.

"O primeiro seria garantir maior justiça e igualdade de oportunidades aos interessados em um cargo público. O segundo seria aperfeiçoar a prestação de serviços públicos, selecionando candidatos por meio de provas que testassem seu conhecimento técnico para determinada função do estado", diz.

O concurso público vai me dar estabilidade?

De acordo com Vera, a resposta é sim, pelo menos até que se mude a Constituição Federal de 1988 por meio de uma emenda. De toda forma, ela destaca que após a posse do cargo, o aprovado passa por estágio probatório que dura três anos que avalia a conduta e o desempenho do funcionário.

"Fiscais, promotores de justiça e magistrados, por exemplo, precisam de isenção para atuar, caso contrário a própria democracia estará em risco. Mas destaco que a estabilidade não é um prêmio ou uma benesse por desempenho, mas sim um instrumento de proteção da atividade desenvolvida", afirma Marcus Vinicius Macedo Pessanha, do Nelson Wilians Advogados, especialista em direito administrativo e regulatório.

Essa estabilidade pode ser perdida em alguns casos, como os que o ocupante do cargo sofre um processo administrativo ou tem uma sentença transitada na Justiça.

"Convém ressaltar que a estabilidade do servidor público poderá ser eliminada na administração pública com a futura reforma administrativa que se pretende fazer no atual governo", afirma Vera.

Qual o primeiro passo para começar a se preparar para um concurso?

A princípio, o candidato precisa identificar qual o ramo de concurso que ele quer prestar. Se o objetivo é se preparar para um concurso para a polícia militar, por exemplo, é possível se preparar ao mesmo tempo para vários exames de uma só vez.

"Hoje a gente vive numa época em que dá para secularizar os editais, separar por nichos. Temos concursos para tribunais; que geralmente têm editais próximos; concursos policiais, que têm editais próximos; concursos fiscais, que têm concursos com editais próximos; e os de carreiras jurídicas, como promotor, juiz, delegado e defensor, que também têm uma certa proximidade", afirma Ricardo Baronovsky, coordenador pedagógico do Damásio Educacional.

Para Baronovsky, o que o concurseiro precisa é escolher não o concurso, mas escolher o ramo de concurso que quer prestar. "Porque se abrir, por exemplo, seleção para a polícia de São Paulo e do Rio de Janeiro e o candidato está estudando para um concurso policial, ele vai conseguir fazer duas seleções com uma mesma preparação."

Como as provas são estruturadas?

Os concursos públicos no Brasil podem ser estruturados apenas com provas ou com provas e títulos, que atribuem pontuação específica a titulações como especialização, mestrado, doutorado ou experiência em outro cargo público, por exemplo.

"O concurso público de provas objetivas, com questões de múltipla escolha, testa o conhecimento do candidato para exercer determinada função. Alguns também cobram provas discursivas ou abertas, na forma de questões dissertativas, redação, elaboração de documentos profissionais ou pareceres. Em poucos casos, há cobrança de prova oral, avaliação psicotécnica, investigação social de bons antecedentes e avaliação física, geralmente, para o exercício de funções policiais e militares", diz Bentes.

Quem pode participar de um concurso público?

Ao fazer a convocação dos candidatos, o edital do concurso precisa delimitar os requisitos da seleção, que deve seguir o que determina a legislação e precisa estar de acordo com o que o função pública necessita.

Os requisitos gerais são:

I - nacionalidade brasileira;

II - gozo dos direitos políticos, isso é, poder votar e ser votado (se for o caso);

III - quitação das obrigações militares e eleitorais;

IV - o nível de escolaridade exigido para o exercício do cargo (fundamental, médio ou superior);

V - idade mínima de dezoito anos;

VI - aptidão física e mental.

"Observe-se que no caso de carreiras no âmbito do poder judiciário são exigidos também alguns requisitos específicos, a depender do cargo público a ser preenchido, como por exemplo, a experiência de três anos em atividades jurídicas para a carreira de magistrado ou similar", diz Vera Chemim, especialista em direito público administrativo pela FGV (Fundação Getulio Vargas).

Como montar uma rotina de estudo?

De acordo com os especialistas, cada concurseiro desenvolve estratégias próprias para se preparar para as provas.

Para isso, uma boa dica é observar no edital quais das disciplinas o candidato já tem domínio, para que ele monte um plano de estudos com foco maior nas matérias em que vai precisar de mais tempo de preparação.

Quantas disciplinas preciso estudar por dia?

Atualmente, os concursos públicos têm entre dez e 14 matérias em média. Baronovsky indica que o candidato estude de duas a três disciplinas por dia.

"Não pode estudar uma só por dia, porque você vai acabar acumulando muitas para estudar ao longo da semana; e também não pode estudar cinco ou seis, porque esse fluxo vai ter muitas quebras com as trocas de matéria e isso também vai atrapalhar a preparação."

Como estudar português para concurso?

Disciplina que vai ser cobrada em todas as provas, o que os especialistas recomendam é estudar língua portuguesa com o apoio de resumos e de provas já aplicadas pela banca realizadora do concurso que o candidato vai fazer.

"Geralmente, quem presta concurso policial vai se deparar com banca Cespe (Centro de Seleção e de Promoção de Eventos) ou Vunesp (Fundação para o Vestibular da Unesp); quem presta concurso de carreiras jurídicas, vai encontrar bancas da própria instituição que está com o edital aberto; quem presta tribunais vai pegar muito a banca da FCC (Fundação Carlos Chagas), como os tribunais regionais federais e tribunais regionais do trabalho", diz Baronovsky, que destaca que essa mesma técnica deve ser aplicada para as outras matérias.

O edital tem pegadinhas?

Segundo Sérgio Carmargo, advogado especialista em concursos públicos, sim. Por essa razão ele reafirma a necessidade de ler todos os detalhes do edital.

"Isso é importante por várias razões, mas uma delas é que o candidato vai perceber no edital qual a metodologia que a banca vai utilizar na seleção. Nas provas da UnB (Universidade de Brasília), por exemplo, cada questão errada vai eliminar uma questão certa. Se você sabe disso, durante a prova você vai saber que não deve chutar as respostas em que você não sabe a resposta, preferindo deixar em branco", diz.

Atenção para as provas de aptidão física

Alguns editais trazem algumas exigências extras, como limites de idade e de altura, assim como estabelecem regras de massa corporal e, em alguns casos, até número mínimo de dentes na boca.

Há quem acuse diversas dessas exigências de serem contrárias à constituição. Por isso, vale reforçar a atenção no edital antes do início da preparação para as provas.

Além disso, alguns exames, como nas seleções para as polícias, os candidatos vão ter que se submeter a testes de resistência física, como provas de natação e de corrida.

Para essas provas, os especialistas indicam acompanhar diversos tutoriais disponíveis no YouTube que auxiliam os candidatos com dicas para qual a posição correta para se posicionar na barra de esforço, além de orientar qual a posição adequada para a flexão de braço ou do abdômen.

Preciso decorar leis para passar num concurso?

O processo seletivo dos concursos envolve o conhecimento da legislação, mas algumas carreiras, como as da área jurídica, exigem um domínio maior dos textos legais relacionados à carreira.

"Digo que não tem que necessariamente decorar, mas estudar muito para memorizar. Deve-se ficar atento ao entendimento dos dispositivos constitucionais e legais, das leis propriamente ditas, principalmente se o concurso for para a carreira no poder judiciário, cuja exigência desse conhecimento será obviamente cobrada", diz Vera.

Meu nome está sujo. Vou ter problemas?

Uma preocupação de muitas pessoas que se preparam para o concurso é com o fato de ter o nome negativado nos órgãos de proteção ao crédito.

Para Camargo, o candidato que teve o seu nome negativado no SPC ou no Serasa, em tese, não deveria ter nenhum tipo de problema no concurso público, mas na prática alguns candidatos têm encontrado esse critério em concursos da área de segurança pública, onde a avaliação social tem sido bastante rígida.

"Nesses casos, o candidato deve ser transparente com a banca no momento de descrever a sua avaliação social. O candidato só deveria ser afastado de um concurso público por sentença criminal com trânsito em julgado, o que na maioria das vezes não acontece", explica.

Existe a possibilidade de crescer no funcionalismo público?

Sim. Na administração pública, o crescimento profissional ocorre principalmente para os servidores públicos de carreira, diferentes dos servidores públicos comuns. Esses servidores públicos de carreira já são amparados por lei específica para sua trajetória profissional.

No entanto, qualquer que seja o servidor público, ele poderá ter promoções por antiguidade e por merecimento. Se for uma promoção por merecimento, o servidor público será avaliado constantemente para poder ter a sua promoção.

"No caso específico de um servidor público de carreira, ele poderá ser promovido de acordo com os níveis e padrões dispostos em lei, como por exemplo, a carreira de auditor fiscal da receita federal, analista de mercado de capitais da CVM (Comissão de Valores Mobiliários), Polícia Federal e outras", diz Vera.