PUBLICIDADE
IPCA
1,25 Out.2021
Topo

Falta uma semana para a Black Friday; veja o que você precisa saber antes

Felipe de Souza

Colaboração para o UOL, em Campinas (SP)

19/11/2021 04h00

É um dos dias mais aguardados por consumidores de todo o país. A Black Friday também passou a ser considerada uma data-chave para o comércio do Brasil nos últimos anos, por causa do volume de vendas.

A data da Black Friday deste ano é 26 de novembro. Uma pesquisa encomendada pelo Google à consultoria Ipsos mostra que 64% dos brasileiros têm intenção de comprar algo este ano.

Mas, afinal, o que significa isso? Por que essa data ganhou tanta importância no país?

O UOL preparou um guia de perguntas e respostas mais comuns sobre o tema.

Tudo sobre a Black Friday

Quando é a Black Friday 2021?

O "evento" acontece no dia 26 de novembro, mas muitas lojas já estão com promoções desde o começo do mês, e seguirão com elas até dia 30, pelo menos.

O que quer dizer Black Friday em português?

A tradução literal é "sexta-feira preta".

A Black Friday ocorre na última sexta-feira do mês de novembro, sempre após o feriado norte-americano de Ação de Graças (Thanksgiving).

Não há consenso sobre a origem da data, mas existem várias hipóteses. Uma delas é que a polícia local da Filadélfia, uma cidade dos Estados Unidos, chamava a sexta-feira pós-Ação de Graças de "sexta-feira negra", pois o comércio local vivia lotado, causando congestionamentos enormes nas ruas e avenidas. A data também era considerada a abertura do período de compras para o Natal.

Hoje se discute se a origem do nome tem conotação racista, e há empresas, como O Boticário, que deixaram de usar a expressão.

No Brasil, a primeira Black Friday aconteceu em 28 de novembro de 2010, totalmente online. Desde então, lojas físicas também têm aderido à proposta, criando semanas de promoção (Black Week). Em alguns casos, os descontos são oferecidos durante todo o mês de novembro.

O que brasileiros pretendem comprar este ano?

Segundo levantamento feito pela consultoria Ipsos para o Google, a lista é variada, e vai de roupas a eletroportáteis. Veja a lista:

  • Vestuário (62%)
  • Celulares (40%)
  • Livros e papelaria (38%)
  • Calçados (33%)
  • Cuidado pessoal (27%)
  • Computadores (26%)
  • Comida (23%)
  • Móveis (19%)
  • Eletroportáteis (17%)
  • TVs (16%)

Qual é o produto mais procurado este ano?

Segundo uma pesquisa feita pelo Radar Simplex, plataforma que monitora pesquisas online, o iPhone lidera as buscas no comércio eletrônico desde o início do mês. O smartphone da Apple ocupava, até a primeira quinzena de novembro, mais de 25% das buscas em temas ligados à Black Friday.

Em época de pandemia e home office, o número de buscas por cadeiras gamers, que são mais confortáveis que as tradicionais de escritório, também subiu. A alta foi em torno de 300% desde o começo do mês, segundo dados do Google sobre pesquisas na internet.

Também há muita procura pelo PlayStation 5, videogame da Sony, outros aparelhos celulares e fritadeiras sem óleo, conforme as informações do Google.

Porém não é possível confirmar quais produtos específicos estarão em promoção.

Os preços estão mais altos este ano. É fraude?

Se você acha que os preços estão mais altos este ano, saiba que não é só impressão. Os custos dos produtos no Brasil estão em alta, puxando a inflação. Um levantamento feito pelo site Buscapé, que também tem um sistema de comparação de preços, mostra que, em média, algumas TVs, pneus e outros produtos subiram 30%.

Mas nem tudo subiu. Cadeiras gamers, por exemplo, tiveram redução de preços de até 48%, dependendo da marca e do modelo.

Como saber se o desconto é real?

Para saber se uma promoção é real ou não, você pode fazer uma pesquisa em sites que fazem levantamento de preços, como o Buscapé e o Bondfaro, que mostram uma lista comparativa dos valores em até seis meses (veja nesta reportagem outros sites de comparação).

Para confirmar que um site é real ou não, você deve fazer uma pesquisa sobre o nome da empresa, além de observar possíveis erros de português na escrita e conferir se o endereço da página é o mesmo de um grande site.

Isso porque existem golpes que criam páginas falsas semelhantes às verdadeiras, mas com endereços diferentes.

Todos as lojas são confiáveis?

Não necessariamente. O Procon de São Paulo criou uma lista de sites para evitar, porque são alvo de um grande volume de reclamações, por exemplo, sobre ofertas falsas ou não cumpriram de prazos de entrega.

Como não cair em golpes?

A primeira dica de órgãos de defesa do consumidor, como Idec (Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor) e Procon-SP, é desconfiar das promoções exageradas.

Produtos que custam R$ 1.300 oferecidos a R$ 500, por exemplo. Esses valores podem indicar que algo está errado, e por isso é necessária atenção.

Outro conselho tem a ver com a confiabilidade do site em que você está comprando. Assim como as orientações de verificar endereços das páginas, você também pode procurar se a empresa existe de fato, consultando o CNPJ (que deve estar disponível na página na internet) e sites de reclamações.

Dê preferência a usar cartões virtuais em compras online. Desta forma, um número de cartão novo é ativado no próprio aplicativo do banco ou fintech e expira pouco tempo depois. Isso evita que golpistas usem os dados de um cartão fixo para fazer compras ilegais.

Aqui você encontra um guia completo de como evitar cair em golpes durante a Black Friday.

O que é o "Esquenta Black Friday"?

É um período de descontos pré-Black Friday, criado pelo próprio comércio para estimular as vendas. O site oficial do evento no Brasil mostra quais são os itens em oferta.

Como pagar as compras?

Cada site tem liberdade para estabelecer as formas de pagamento. É necessário consultar as regras de cada um.

Como funciona a entrega?

A entrega dos produtos é de responsabilidade de cada vendedor. Em geral, por causa da grande movimentação, os prazos são maiores do que fora do período da Black Friday. É necessário ficar atento ao prazo de entrega informado pelo site no momento em que você cadastrar seu endereço.