Topo

Só 7 lideraram lista de mais ricos do mundo da "Forbes" em 30 anos; veja

Montagem BOL / Reuters / EFE
Imagem: Montagem BOL / Reuters / EFE

Do UOL, em São Paulo

04/08/2017 04h00

Jeff Bezos, fundador da gigante do comércio eletrônico Amazon, subiu ao posto de homem mais rico do mundo no ranking da revista "Forbes" pela primeira vez na semana passada. O feito, porém, durou apenas algumas horas. As ações de sua empresa caíram e Bill Gates, fundador da Microsoft, retomou a dianteira.

Mesmo assim, Bezos entrou para um seleto grupo.

Nos 30 anos em que a revista americana acompanha a fortuna das pessoas mais ricas do planeta, apenas cinco homens estiveram no topo da lista anual da publicação. Entre uma divulgação e outra, porém, pelo menos duas pessoas conseguiram chegar a esse patamar, ainda que por um curto período: além de Bezos, Amancio Ortega, fundador da loja de roupas Zara.

Os rankings de bilionários calculam a fortuna dos empresários com base na participação que eles têm em empresas listadas nas Bolsas de Valores. Como as ações variam diariamente, o mesmo acontece com as fortunas. Por isso, os ricaços podem mudar de posição no ranking dia a dia.

Confira abaixo a lista dos sete homens que já ocuparam o posto de mais rico do mundo.

7 homens que já lideraram lista da "Forbes"

  • Reprodução/Features.aol

    Jeff Bezos

    Bezoschegou ao topo do ranking, mas apenas por um curto período, não garantindo o título na lista anual da "Forbes" (até agora, pelo menos).

    A conquista foi no dia 27 de julho deste ano, quando sua fortuna superou a marca de US$ 90 bilhões pela primeira vez, e ele ultrapassou Bill Gates por US$ 500 milhões.

    Bezos, que também é dono do jornal "The Washington Post", entrou para a lista de bilionários em 1998, após a Amazon lançar ações na Bolsa de Nova York. Leia mais

  • Reuters

    Amancio Ortega

    Em outubro de 2015, Ortega ocupou o topo do ranking dos mais ricos por algumas horas, superando Bill Gates.

    O mesmo aconteceu em setembro de 2016, por dois dias. Naquela ocasião, as ações de sua companhia, a Inditex, dona da rede de lojas Zara, subiram 2,5%. A alta rendeu um aumento de US$ 1,7 bilhão na fortuna de Ortega. Dois dias depois, porém, as ações caíram 2,8%, e o empresário deixou o topo do ranking.

    Apesar das duas ultrapassagens, Ortega não sustentou o posto por tempo o bastante para figurar na lista anual, assim como Bezos.

    Atualmente ele tem uma fortuna estimada de US$ 85 bilhões, o que lhe garante o posto de homem mais rico da Europa e o de varejista mais rico do mundo. Leia mais

  • Yuri Gripas/Reuters

    Bill Gates

    O fundador da Microsoft puxou a fila de bilionários pela primeira vez em 1995. Naquele ano, sua fortuna era estimada em US$ 12,5 bilhões. Foi o homem mais rico em 18 dos 23 anos seguintes.

    Gates surfou no sucesso da Microsoft, com a grande valorização que as empresas de tecnologia tiveram na segunda metade da década de 1990, atingindo uma fortuna estimada de US$ 90 bilhões em 1999.

    Apesar de não estar mais à frente da empresa, Gates ainda é membro do conselho. Atualmente, sua fortuna é estimada em US$ 89,8 bilhões, segundo a Forbes.

  • Lucas Jackson/ Reuters

    Warren Buffett

    Buffett foi o primeiro a destronar Gates, em 2008.

    Aquele não foi um bom ano para o fundador da Microsoft, quando a tentativa de fusão da empresa com o Yahoo! fracassou. Apesar de sua fortuna ter crescido US$ 2 bilhões entre 2007 e 2008, chegando a US$ 58 bilhões, Gates caiu para a terceira posição da lista.

    Naquele ano, ele também deixou o comando da empresa para focar em sua fundação de caridade.

    Com a queda, o investidor Warren Buffett subiu ao topo da "Forbes", com uma fortuna estimada em US$ 62 bilhões, após a valorização de sua empresa financeira, a Berkshire Hathaway, que atualmente é dona de mais de 60 companhias.

    Ele permaneceu na posição apenas um ano, voltando a ficar atrás de Bill Gates em 2009. Hoje a fortuna de Buffett é estimada em US$ 76,5 bilhões.

    Buffet é próximo de Jorge Paulo Lemann, brasileiro mais rico do mundo segundo a "Forbes". Em 2013, o fundo 3G Capital, de Lemann, se uniu ao americano para comprar a empresa americana de alimentos Heinz. Nos anos seguintes, eles ainda se uniriam para comprar a cadeia canadense de cafés Tim Hortons e assumir a Kraft Foods.

  • Reprodução/pursuitist

    Carlos Slim

    O mexicano assumiu a primeira colocação em 2010, com uma fortuna de US$ 53,5 bilhões. Ela foi impulsionada pela valorização das ações de sua empresa de telecomunicações, a América Móvil, que no Brasil controla a Claro e a Net. Slim ocupou o topo por quatro anos.

    Apesar de ter feito grande parte de seu dinheiro com a América Móvil, ele também atua nos setores de varejo, matérias-primas, finanças, energia e é dono de 17% do jornal americano "The New York Times".

    Hoje sua fortuna é estimada em US$ 68,2 bilhões. Leia mais

  • Yoshiaki Tsutsumi

    Em 1987, o bilionário japonês foi a primeira pessoa a ser considerada a mais rica do mundo pela revista "Forbes". Dono do Seibu Group, de negócios imobiliários e de varejo, sua fortuna era estimada em US$ 20 bilhões.

    O empresário encabeçou a lista até 1991, sendo desbancado por dois anos seguidos. Ele ainda voltou para o topo nos dois anos seguintes.

    Em 2004, o Seibu Group saiu da Bolsa depois de erros na divulgação de seus balanços. Em 2005, Tsutsumi foi preso e multado em US$ 42 mil. O empresário ainda cumpriu quatro anos de sentença em liberdade. Ele deixou a lista de bilionários em 2007.

  • Taikichiro Mori

    O segundo homem a ser considerado o mais rico do mundo pela revista também era japonês. Taikichiro Mori foi dono de uma construtora em Tóquio e ocupou o topo da lista em 1991 e 1992, tomando o lugar de Yoshiaki Tsutsumi.

    Quando morreu, em 1993, tinha 88 anos, 65 prédios de escritório e um patrimônio estimado em US$ 13 bilhões, o dobro do que tinha Bill Gates, americano mais rico na época.

    Mas esse império só começou a ser erguido quando Mori estava com 55 anos. Antes disso, ele era um professor universitário de economia.

Mais Economia