Só para assinantesAssine UOL
Reportagem

Quanto investir para receber R$ 500 todos os meses em 2024?

Já pensou começar o ano recebendo uma renda mensal? Na coluna de hoje eu mostro quanto você precisaria investir para ter um ganho líquido de R$ 500 por mês, a partir de janeiro de 2024, de forma vitalícia.

Sem correr riscos: R$ 140 mil

Se você não quer correr risco, precisará fazem um investimento, ainda este mês, de R$ 140 mil no Tesouro Selic, que é a aplicação mais segura do país. Com esse valor, você consegue um retorno líquido real de, aproximadamente, R$ 500 por mês a partir de janeiro de 2024, de forma vitalícia.

Digo com tranquilidade que é de forma vitalícia porque o retorno líquido real é aquele que já desconta o Imposto de Renda e a inflação. Isso significa que, resgatando R$ 500 por mês, você permite que o montante total aplicado seja corrigido pela inflação todos os meses. Nessas condições, não é recomendado retirar mais que R$ 500 mensais, pois isso faria com que o dinheiro investido começasse a perder poder de compra.

Portanto, não caia no erro de achar que, se o Tesouro Selic está rendendo 10% ao ano, você poderia retirar R$ 1.400 por mês, pois boa parte desse rendimento serve apenas como correção da inflação.

Os cálculos consideram que a taxa básica de juros do país, a Selic, seja de 10,25%, em média, ao longo de 2024 e que a inflação fique em 3,9% no período. Esses números são as projeções mais recentes de analistas consultados pelo Banco Central.

Com risco médio: R$ 63 mil

Caso você aceite correr um certo grau de risco, pode aplicar em fundos de investimento imobiliário (FIIs), que pagam uma renda mensal. Investindo em FIIs de logística, que é um segmento relativamente conservador em comparação com outros fundos imobiliários, é possível ter uma renda de R$ 500 mensais a partir de uma aplicação de R$ 63 mil.

Nessa conta não é preciso descontar a inflação, pois as receitas dos FIIs vêm de aluguéis de imóveis, que, por sua vez, já são reajustados todos os anos, conforme os contratos. Assim, a tendência é de que, a longo prazo, o rendimento mensal acompanhe a inflação. Além disso, os rendimentos dos FIIs são, atualmente, isentos de IR.

Continua após a publicidade

Mas veja que eu disse que isso é apenas uma "tendência". Os fundos imobiliários são investimentos de renda variável e, portanto, têm um risco que não é desprezível. Existe a chance de o rendimento mensal cair. Da mesma forma que, se você tivesse um imóvel alugado, correria o risco de inadimplência e de vacância.

Também nos FIIs existe o risco de queda no valor da cota, ou seja, no preço que você pagou para comprar a sua parte no fundo. Assim como, se você tivesse um imóvel, correria o risco de não conseguir vendê-lo pelo preço que pagou.

O cálculo de quanto você teria que investir em fundos imobiliários considerou o retorno mediano atual dos FIIs de logística mais negociados.

Com risco alto: R$ 73 mil

Em ações de empresas listadas na Bolsa de valores, que têm um risco mais alto que os fundos imobiliários, você teria que aplicar R$ 73 mil para ter uma renda média de R$ 500 por mês a partir de janeiro. Esse cálculo considerou a mediana do retorno em dividendos das 50 empresas que melhor remuneram os investidores nos últimos 12 meses.

Assim como nos FIIs, nas ações não há garantia de que a sua renda seja, de fato, de R$ 500 por mês. As empresas sempre podem diminuir (como também aumentar) o ritmo de remuneração dos acionistas.

Continua após a publicidade

Outro ponto a ser observado é que as empresas na maioria das vezes não pagam dividendos todos os meses. Nessa conta, considerei que você receberia um total de R$ 6.000 por ano, o que daria uma média de R$ 500 mensais.

Repare que, investindo em ações, a tendência é ganhar menos do que nos FIIs, mesmo sendo um tipo de ativo mais arriscado. Isso ocorre porque as boas empresas tendem a crescer ao longo do tempo, o que geraria dividendos cada vez maiores.

Saiba, portanto, que o investidor de ações não está de olho apenas nos dividendos do próximo ano. Ele investe pensando em ter uma remuneração bem maior em um prazo acima de dez anos.

Alguma dúvida?

Tendo alguma dúvida sobre investimentos, me siga no Instagram e envie uma mensagem por lá. Sua pergunta poderá ser respondida em breve nesta coluna.

Reportagem

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Este material não é um relatório de análise, recomendação de investimento ou oferta de valor mobiliário. Este conteúdo é de responsabilidade do corpo jornalístico do UOL Economia, que possui liberdade editorial. Quaisquer opiniões de especialistas credenciados eventualmente utilizadas como amparo à matéria refletem exclusivamente as opiniões pessoais desses especialistas e foram elaboradas de forma independente do Universo Online S.A.. Este material tem objetivo informativo e não tem a finalidade de assegurar a existência de garantia de resultados futuros ou a isenção de riscos. Os produtos de investimentos mencionados podem não ser adequados para todos os perfis de investidores, sendo importante o preenchimento do questionário de suitability para identificação de produtos adequados ao seu perfil, bem como a consulta de especialistas de confiança antes de qualquer investimento. Rentabilidade passada não representa garantia de rentabilidade futura e não está isenta de tributação. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço pode aumentar ou diminuir, a depender de condições de mercado, podendo resultar em perdas. O Universo Online S.A. se exime de toda e qualquer responsabilidade por eventuais prejuízos que venham a decorrer da utilização deste material.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes