Só para assinantesAssine UOL
Reportagem

Quanto você pode ganhar por mês com fundos imobiliários em 2024?

Muita gente (inclusive eu) aplica em fundos de investimento imobiliário (FIIs) com o objetivo de receber um rendimento todos os meses na conta corrente.

Se você está pensando em entrar nesse mercado, veja quanto você tende a receber, em 2024, se os fundos continuarem remunerando os investidores no mesmo ritmo dos últimos 12 meses.

Fundos de logística

Gosto sempre de priorizar na minha coluna os fundos de logística por serem um setor sólido e resiliente.

Investindo R$ 1.000 agora nesse tipo de fundo, a tendência é que você receba cerca de R$ 7,96 por mês ao longo de 2024, somando R$ 96 no ano todo, já livre de Imposto de Renda. Em porcentagem, trata-se de um rendimento de 0,8% ao mês.

Esse cálculo, como todos os outros desta coluna, considera a hipótese de que os fundos imobiliários mantenham o atual ritmo de pagamento de proventos. A rentabilidade citada em cada setor é a mediana dos fundos mais negociados do segmento.

Fundos de escritórios

Os fundos chamados de "lajes corporativas", que possuem edifícios de escritórios de alto padrão, estão com um retorno em dividendos de, aproximadamente, 0,63% ao mês.

Dessa forma, para cada R$ 1.000 investidos nesses ativos, você tende a receber R$ 6,27 por mês, um total de R$ 75 por ano.

Esse tipo de fundo, embora não esteja com um retorno ruim, está longe dos meus preferidos, devido às possibilidades de trabalho remoto que as empresas descobriram durante a pandemia. Mesmo assim, pode ser uma boa opção para diversificação para quem está muito concentrado em algum outro setor.

Continua após a publicidade

Fundos de shoppings

Os fundos imobiliários que possuem shopping centers no seu portfólio estão com um retorno em dividendos de 0,71% ao mês - portanto, abaixo do setor de logística e acima do de lajes corporativas.

Com um investimento de R$ 1.000, o rendimento seria de R$ 7,08 ao mês, ou R$ 85 ao ano.

Shoppings também podem ser um segmento interessante para investir, mas nunca podemos desprezar o constante crescimento do comércio online, que pode fazer as lojas físicas perderem cada vez mais relevância.

Os defensores dos fundos de shopping costumam dizer que esses centros comerciais não estão ameaçados pelo comércio online porque estão muito bem localizados e podem se tornar centros de lazer e de outros serviços. No entanto, eu prefiro não me expor muito a fundos de shopping, porque vai que eles não conseguem se adaptar como se espera, não é mesmo?

Fundos de papel

Os fundos imobiliários conhecidos como "de papel" costumam ser os mais arriscados de todos. Nos demais segmentos, conhecidos como "de tijolo", quando você investe em um FII, está, indiretamente, comprando uma fração de um imóvel ou de um conjunto de imóveis. O rendimento que você recebe, portanto, é uma fração da receita desses imóveis com aluguel.

Continua após a publicidade

Já no caso dos fundos de papel, ao fazer o investimento, o que você está adquirindo é uma cota de uma imensa pilha de contratos de financiamento imobiliário ou outros tipos de empréstimos relacionados a imóveis.

Dessa forma, o seu rendimento virá das parcelas que os tomadores de empréstimo pagam mensalmente. Se a economia piorar e os devedores começarem a ficar inadimplentes, seu rendimento pode cair drasticamente, assim como o valor da cota do fundo.

Dito isso, saiba que o retorno em dividendos de um fundo de papel está hoje em 1,09% ao mês. Isso representaria um rendimento de R$ 10,87 mensais para cada R$ 1.000 investidos agora em dezembro. No total, seriam R$ 130 ao longo de 2024.

Mas é normal que um investimento mais arriscado tenha uma promessa de retorno maior. Apenas tome cuidado e não invista nesse tipo de ativo sem a recomendação de um analista e sem conhecer os riscos, pois você pode perder dinheiro.

Alguma dúvida?

Tendo alguma dúvida sobre investimentos, me siga no Instagram e envie uma mensagem por lá. Sua pergunta poderá ser respondida nesta coluna.

Reportagem

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Este material não é um relatório de análise, recomendação de investimento ou oferta de valor mobiliário. Este conteúdo é de responsabilidade do corpo jornalístico do UOL Economia, que possui liberdade editorial. Quaisquer opiniões de especialistas credenciados eventualmente utilizadas como amparo à matéria refletem exclusivamente as opiniões pessoais desses especialistas e foram elaboradas de forma independente do Universo Online S.A.. Este material tem objetivo informativo e não tem a finalidade de assegurar a existência de garantia de resultados futuros ou a isenção de riscos. Os produtos de investimentos mencionados podem não ser adequados para todos os perfis de investidores, sendo importante o preenchimento do questionário de suitability para identificação de produtos adequados ao seu perfil, bem como a consulta de especialistas de confiança antes de qualquer investimento. Rentabilidade passada não representa garantia de rentabilidade futura e não está isenta de tributação. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço pode aumentar ou diminuir, a depender de condições de mercado, podendo resultar em perdas. O Universo Online S.A. se exime de toda e qualquer responsabilidade por eventuais prejuízos que venham a decorrer da utilização deste material.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes