Só para assinantesAssine UOL
Opinião

O que especialistas preveem para o bitcoin e os criptoativos em 2024

Com o mercado de criptoativos voltando a todo vapor, as perspectivas em torno da rentabilidade para esta classe de ativo em 2024 reassumiram um otimismo não visto desde 2021. Em linha com a esperança que vem se instalando desde o segundo semestre deste ano, trago nesta matéria algumas das previsões mais otimistas para o mercado de criptoativos em 2024 feitas por nomes e entidades de peso no mercado financeiro de ativos digitais.

É importante frisar que todas essas previsões são um tanto otimistas e todas essas figuras, apesar de serem formadores de opinião de grande reputação, trazem opiniões "suspeitas", já que quase todas as entidades citadas disponibilizam ou em breve lançarão produtos atrelados a ativos digitais.

VanEck, gestora americana com US$ 45,5 bilhões em ativos sob gestão

A equipe de pesquisa da gestora VanEck publicou uma longa lista de previsões para 2024, que preveem desde o resultado da eleição presidencial americana — antevendo um retorno do ex-presidente Donald Trump — até uma recessão para a maior economia do mundo se instalando na primeira metade do ano que vem.

Apesar da previsão pessimista para a economia americana como um todo, os analistas da VanEck preveem que o bitcoin deve superar sua máxima histórica (US$ 68,789), até arriscando uma data específica para essa ocorrência (09/11/2024, exatamente três anos após seu último auge de preço, que foi registrado em 2021).

Entre as justificativas dadas para tal otimismo, a gestora cita a aprovação do ETF (sigla em inglês para Fundos Negociados em Bolsa) à vista do bitcoin nos EUA, prevista para janeiro.

Segundo a equipe de pesquisa da gestora, o novo veículo de investimentos deve conduzir ao ativo digital um fluxo de capital volumoso de US$ 1 bilhão nos dias imediatamente após o lançamento dos primeiros ETFs e outros US$1,5 bilhões até o final do primeiro trimestre de 2024, impulsionando o preço de seu ativo subjacente (bitcoin) a novas alturas.

Também foram citados pelos analistas o halving -- evento previsto para abril que reduzirá o número de novos bitcoins criados diariamente de ~900 para ~400, instalando uma nova dinâmica de oferta e demanda que tende a elevar seu preço.
Ark Invest, gestora americana com US$ 13,1 trilhões em ativos sob gestão

Cathie Wood, CEO da Ark Invest, gestora focada em teses de investimento relacionadas ao setor de tecnologia, enxerga a liberação do ETF à vista de bitcoin nos EUA como um grande avanço regulatório para a classe de ativos digitais. Segundo a CEO, o lançamento do ETF mudará a maneira como o mundo das finanças tradicionais enxerga os ativos digitais.

Continua após a publicidade

Wood também destacou a parceria firmada entre a BlackRock, a maior gestora de ativos do mundo, e a Coinbase, a maior exchange de criptomoedas dos EUA, que será responsável pela custódia do ETF a ser lançado pela gestora. A CEO da Ark aponta a colaboração entre as duas entidades como um indício da maturidade do setor de ativos digitais, que deve fomentar o ingresso de outros investidores institucionais, gerando maior facilidade e segurança de acesso para os investidores americanos.

MicroStrategy, empresa de tecnologia dona de 144.530 bitcoins

MicroStrategy—empresa que comercializa serviços de dados de negócios, software para celulares e serviços em nuvem—é famosa por ter uma das maiores posições em bitcoins do mundo (+ US$6 bilhões).

Através de entrevistas concedidas pelo seu CEO, Michael Saylor, a empresa destacou a liberação do ETF de bitcoin à vista nos EUA como um "divisor de águas", que deve estimular um novo patamar de adoção e notoriedade entre o grande público investidor.Em

relação ao halving, Saylor entende que o evento ocasionará uma redução de 50% no montante de US$ 1 bilhão de dólares em bitcoins minerados todo mês, enquanto a demanda pelo token pode, de forma simultaneamente, dobrar. Segundo o CEO da MicroStrategy, a confluência desses dois fatores pode elevar o preço do bitcoin para até US$350,000 antes do final de 2024.

Opinião

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

O UOL Economia é de propriedade do Universo Online S.A., sociedade que controla as empresas do Grupo UOL. O Grupo UOL tem em sua composição empresas que exercem atividades reguladas no setor financeiro. Apesar de o Grupo UOL estar sob controle comum, os executivos responsáveis pelo Banco Seguro S.A. são totalmente independentes e as notícias, matérias e opiniões veiculadas no portal tem como único objetivo fornecer ao público elementos a título educacional e informativo sobre o mercado e produtos financeiros, sendo baseadas em dados de conhecimento público na data de sua divulgação, conforme fontes devidamente indicadas, e condições mercadológicas externas ao Grupo UOL que podem ser alteradas a qualquer momento, mas sem constituir qualquer tipo de relatório de análise, recomendação, oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes