IPCA
0,42 Mar.2024
Topo

ANÁLISE

Veja como montar sua carteira de investimentos para ter retorno e segurança

Investidor: saiba como montar sua carteira de investimentos - FG Trade/iStock
Investidor: saiba como montar sua carteira de investimentos Imagem: FG Trade/iStock

Colaboração para o UOL, em São Paulo

28/06/2023 04h00

Quando você quer ter remunerações melhores nos seus investimentos, geralmente precisa correr mais riscos. Mas nem todo mundo tem estômago para correr risco. Então, como equilibrar sua carteira de forma que tenha retorno e segurança?

Veja como a diversificação pode te ajudar a reduzir o risco de perdas e aumentar as chances de ganhos. "Não coloque todo o seu dinheiro em um único produto. O objetivo da diversificação é aproveitar todos os investimentos que têm no mercado de uma forma estratégica", afirma a planejadora financeira Lueny Santos, no Papo com Especialista, programa ao vivo do UOL. Mas qual é o melhor investimento? "Não existe. Tudo depende do seu objetivo, do seu perfil, para você conseguir montar essa carteira diversificada", declara.

Essa é o terceiro aulão da série "Como sair da poupança com segurança para ganhar mais dinheiro".

Veja o primeiro aulão aqui.

Veja o segundo aulão aqui.

Leia abaixo a análise da planejadora financeira e assista ao programa completo. O Papo com Especialista é um tira-dúvidas sobre investimentos exclusivo para assinantes e é transmitido semanalmente, às quintas-feiras, das 16h às 16h40.

Para também ter sua dúvida respondida no programa, envie sua questão para o Papo pelo email uoleconomiafinancas@uol.com.br.

Como pensar na estratégia para sua carteira de investimentos?

A alocação é uma estratégia de investimentos que busca melhorar a relação entre o risco e o retorno através da proporção entre os ativos. "Qual é a fatia do seu dinheiro que você coloca em renda fixa, em fundos, em ações? Você vai conseguir entender isso a partir dessa estratégia de alocação", diz ela.

Você precisa saber qual é o seu perfil e quais são os seus projetos com aquele dinheiro. Veja como descobrir qual é o seu perfil de investidor abaixo.

Você já deve ter feito o filtro, quando olhou para os seus projetos e para o seu perfil [de investidor], e agora vai definir essa estratégia, porque vai conseguir entender quais são os ativos que você quer mais na sua carteira e começar a definir essa proporção que vai melhorar a relação entre risco e retorno.
Lueny Santos, planejadora financeira

O mercado é cíclico. Então, sempre vão existir investimentos que estão mais em alta ou que estão mais na moda. Para evitar que você fique 'andando' com o seu dinheiro de lá para cá, a ideia é que você tenha essa estratégia de alocação de ativos.
Lueny Santos, planejadora financeira

Ao construir uma carteira com vários investimentos diferentes, você tem menos riscos. Lueny cita uma frase do economista americano Harry Markowitz: "O risco de uma carteira é menor do que a soma dos riscos individuais de cada ativo". "Ou seja, cada produto tem o seu risco, mas se você olha para a carteira como um todo, o risco é menor justamente por essa diversificação", diz.

Que investimentos você pode ter na sua carteira?

Renda fixa: Você pode diversificar por meio de produtos ou remunerações diferentes.

- Produtos pós-fixados e com liquidez diária: Tesouro Selic, CDBs com liquidez diária e fundos de renda fixa simples.
- Produtos pós-fixados: CDB, LCI, LCA, debêntures, CRI, CRA e fundos de crédito privado.
- Produtos prefixados: Tesouro Prefixado, CDB, LCI, LCA, debêntures, CRI, CRA e fundos prefixados.

Inflação: Tesouro IPCA, crédito privado atrelado à inflação (CDB, LCI, LCA, CRI, CRA, debêntures), fundos de inflação e ETFs de inflação.

Multimercado: Os fundos multimercado podem ser várias possibilidades de estratégia (macro, trading, quantitativo, etc.). "Você precisa avaliar o fundo, qual a estratégia do gestor. No fundo, você terceiriza a escolha dos investimentos, mas precisa conhecer qual é a estratégia para entender como ele vai se movimentar no mercado", diz ela.

Renda variável: Investir em empresas ou em empreendimentos imobiliários; fazer gestão própria (você escolhe a sua carteira de ações ou carteira de fundos imobiliários), gestão passiva (ETFs e fundos passivos) ou gestão ativa (fundos de ações e fundos de fundos imobiliários).

Global: Uma estratégia é pensar em proteção (investir em commodities, como ouro, prata, cobre, etc., e em moedas) e outra, em ativos globais (investir em renda fixa global, como no Tesouro americano; multimercado global ou renda variável global.

Qual seu objetivo com cada investimento

Você precisa saber o que está buscando com cada ativo. Pode ser manter o patrimônio, ter uma rentabilidade acima da inflação, acompanhar as Bolsas globais e a brasileira, entre outros objetivos. Para cada alvo, um tipo de investimento é mais adequado.

Entenda seu perfil de investidor. Por exemplo: Quem é mais conservador, geralmente investe 80% em renda fixa, 10% em inflação, 5% em multimercado e 5% em global, por exemplo. Veja abaixo um quiz do UOL para saber qual é seu perfil.

Cada especialista vai recomendar uma carteira diferente, mas você precisa pensar na sua estratégia. Você não precisa se encaixar 100% em uma categoria que o gerente do banco te sugeriu. "Se o conservador investe 80% em renda fixa, e o moderado 35%, e você não se encaixa em nenhum, fica no meio. 60% em renda fixa é um percentual interessante para você? A gente só consegue mudar a forma como lida com o dinheiro, indo para a prática", diz.

Comece aos poucos. Mesmo que seu perfil seja mais arrojado, invista nesses ativos mais arriscados aos poucos, e não de uma vez, para não se assustar com o sobe e desce. "A ideia é que você vá subindo os degraus aos poucos", diz Lueny.

Para quem está começando agora, está saindo da poupança e busca outras possibilidades de investimentos, nossa sugestão é sempre começar com menos risco do que acha que poderia. Isso é para você poder testar mesmo. Investir só se aprende investindo.
Lueny Santos, planejadora financeira

Escolha as classes de ativos que irão compor sua carteira: renda fixa, inflação, multimercado, renda variável e global. Defina qual vai ser a fatia que cada ativo vai ocupar no seu investimento total.

Diversifique mesmo dentro de uma classe. Por exemplo: você define que irá investir 30% em renda variável, sendo 10% em fundos imobiliários, 10% em fundos de ações e 10% em carteira de ações. "Dentro da classe, você ainda está diversificando, procurando produtos descorrelacionados, ou seja, produtos que se movimentam de forma diferente", afirma ela.

Vale lembrar que, dentro de cada classe, existem ativos com mais e menos risco. Então, você precisa sempre lembrar dos seus projetos e perfil para continuar fazendo escolhas adequadas.
Lueny Santos, planejadora financeira

Não mude sua carteira toda hora

Depois que você define como será sua estratégia, o ideal é que você se mantenha fiel à ela. "Em alguns momentos, a renda variável vai estar rendendo muito, e a renda fixa, pouco. Isso não significa que você vai pegar todo o seu dinheiro e colocar na renda variável, e vice-versa. Significa que você vai manter aquela estrutura, aproveitando as oportunidades do mercado, mas de uma forma estratégica", afirma.

Assim como a sua disposição e a sua capacidade de correr risco não mudam a cada semana, a sua alocação de ativos também não.
Lueny Santos, planejadora financeira

Lueny alerta para que o investidor não fique mudando seu dinheiro de lugar. Uma pesquisa feita por Roger Ibbotson e Paul Kaplan, professores de finanças da Yale, mostrou que o que mais influencia a rentabilidade é desenhar a carteira de forma correta (90%). Escolher os melhores ativos, no tempo certo, foi responsável por apenas 10% da rentabilidade.

Principais vantagens dessa estratégia:

Minimização de riscos. "Você vai diminuir o risco porque você vai olhar para a sua disposição", diz.

Tem caráter permanente. "Você não vai ficar mudando de objetivo. São investimentos que você planeja para o longo prazo e, por isso, busca uma diversificação maior", diz.

Facilita o rebalanceamento da carteira.

Ajuda a desenvolver o controle emocional. "Se você define que quer ter uma porcentagem de uma classe de ativos, como 10% em renda variável, mas os produtos em renda variável caem, você consegue saber o que é que está causando essa queda. Então fica mais fácil você conseguir fazer movimentos mais estratégicos, e não simplesmente resgatar o dinheiro porque os produtos estão em queda", diz.

Aulão: como sair da poupança com segurança para ganhar mais dinheiro

A poupança é o investimento mais usado pela maioria dos brasileiros. Mas há outras opções que podem ser mais vantajosas e que rendem mais.

Para quem está começando a investir, UOL terá uma série de quatro aulas ao vivo sobre como diversificar sua carteira. A série começa no dia 1° de junho.

O tema será "Como sair da poupança com segurança para ganhar mais dinheiro". Falaremos sobre as opções de investimento que existem, como avaliar o seu perfil para investir de acordo com sua tolerância ao risco, como diversificar sua carteira e como saber se os seus investimentos estão de acordo com os seus planos e sonhos.

As duas primeiras aulas já estão no ar. O primeiro episódio e fala sobre quais são os principais investimentos existem, como funcionam e quais são seus riscos. Assista à aula completa aqui. Já o segundo episódio mostra como descobrir qual é o seu perfil de investidor para aplicar melhor seu dinheiro, veja aqui.

Assista ao aulão no Papo com Especialista, programa ao vivo do UOL, todas as quintas-feiras, das 16h às 16h40.

Assinantes do UOL podem reassistir às aulas quantas vezes quiserem. Ao final, os assinantes ainda vão ganhar um guia exclusivo sobre como investir além da poupança. Assine aqui e participe!

A última série do Papo com Especialista foi sobre como ter renda passiva pingando na sua conta com os investimentos. Para saber mais, acesse o especial "Guia de Investimentos para ter Renda Passiva", exclusivo para assinantes.

Quer investir melhor? Receba dicas em seu email

Você quer aprender a ganhar dinheiro com segurança em investimentos no curto, médio e longo prazo, mesmo que nunca tenha investido?

A página de investimentos do UOL tem uma newsletter gratuita que o ajuda nesse objetivo. Ao assinar, você recebe todos os dias, antes da abertura da Bolsa, uma análise do mercado feita pela equipe do PagBank Investimentos. Com essa newsletter, você vai aprender a investir e entender o que está acontecendo com o mercado.

Além da newsletter diária, você também recebe, semanalmente, uma análise sobre investimentos, com dicas sobre como aplicar melhor e com segurança seu dinheiro. Para assinar a newsletter gratuita de investimentos do UOL, é só clicar aqui. Há ainda conteúdos diários sobre diversos tipos de ativos.

Tem dúvidas sobre ações, fundos e outros investimentos da Bolsa? Envie sua pergunta para uoleconomiafinancas@uol.com.br.

Este material não é um relatório de análise, recomendação de investimento ou oferta de valor mobiliário. Este conteúdo é de responsabilidade do corpo jornalístico do UOL Economia, que possui liberdade editorial. Quaisquer opiniões de especialistas credenciados eventualmente utilizadas como amparo à matéria refletem exclusivamente as opiniões pessoais desses especialistas e foram elaboradas de forma independente do Universo Online S.A.. Este material tem objetivo informativo e não tem a finalidade de assegurar a existência de garantia de resultados futuros ou a isenção de riscos. Os produtos de investimentos mencionados podem não ser adequados para todos os perfis de investidores, sendo importante o preenchimento do questionário de suitability para identificação de produtos adequados ao seu perfil, bem como a consulta de especialistas de confiança antes de qualquer investimento. Rentabilidade passada não representa garantia de rentabilidade futura e não está isenta de tributação. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço pode aumentar ou diminuir, a depender de condições de mercado, podendo resultar em perdas. O Universo Online S.A. se exime de toda e qualquer responsabilidade por eventuais prejuízos que venham a decorrer da utilização deste material.