PUBLICIDADE
IPCA
+0,83 Mai.2021
Topo

Economia brasileira despenca 3,8% em 2015, a maior queda em 25 anos

03/03/2016 14h38

Rio de Janeiro, 3 Mar 2016 (AFP) - A economia brasileira, a sétima maior do mundo, teve uma severa contração de 3,8% em 2015, a maior em 25 anos, levando em conta a série histórica, anunciou nesta quinta-feira o IBGE.

O retrocesso do PIB é o maior da atual série histórica iniciada em 1996 e também o mais importante desde 1990, quando estava em vigor outra série e a economia retrocedeu 4,3%, explicou o IBGE. O PIB do quarto trimestre do ano passado retrocedeu 1,4% em relação ao anterior.

O Brasil obtém, assim, o segundo pior desempenho econômico de toda a América Latina, atrás apenas da Venezuela, que teria tido um desabamento do PIB da ordem de 10% em 2015, segundo o FMI, e se forem confirmados os prognósticos, é o pior desempenho entre seus sócios do clube de potências emergentes Brics (integrado por Brasil, China, Rússia, África do Sul, Índia).

Fatores políticosApós um espetacular crescimento de 7,5% em 2010, em meio ao boom dos preços das matérias-primas e programas sociais que tiraram 30 milhões de brasileiros da pobreza e estimularam o consumo, o PIB cresceu 3,9% em 2011, 1,9% em 2012, 3% em 2013 e apenas 0,1% em 2014.

A queda dos preços das commodities pela desaceleração da China e pelos os mega escândalos de corrupção e a crise política que sacodem o governo de Dilma Rousseff congelaram a economia.

"A recessão econômica é mais causada por fatores políticos do que econômicos: a crise política, o impasse entre o Executivo e o Legislativo, a corrupção, tudo isso está minando a confiança do empresariado, dos consultores e está paralisando os negócios e a economia brasileira", disse à AFP Margarida Gutiérrez, professora de Macroeconomia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

"Nunca se viu na economia brasileira uma queda dessa magnitude durante dois anos consecutivos (...). Este ano será pior do que o ano passado, espera-se que a partir de 2017 ou talvez de 2018 haja uma taxa de crescimento positivo, mais pela inércia", comentou.

O resultado do PIB em 2015 se viu afetado pela queda de 6,2% da indústria brasileira, o pior resultado anual da série iniciada em 1996, a contração de 14,1% dos investimentos, de 4% do consumo das famílias, de 2,7% dos serviços e um crescimento de apenas 1,8% do setor agropecuário.

A pior recessão em um séculoApós a contração de 3,8% em 2015, o mercado projeta um retrocesso do PIB de 3,45% em 2016 e o FMI antecipa uma estagnação para 2017. Se esses dados se confirmarem, seria a pior contração econômica do país em um século.

"O Brasil nunca passou por um nível de incerteza tão elevado e isso congela tudo. Não há consumo nem investimento, nem crédito com esse nível de incerteza, que é histórico (...) (...) Todos os problemas políticos e fiscais não vão se dissipar facilmente nos próximos anos", disse Daniel Cunha, analista da XP Investimentos em São Paulo.

"Trabalhamos com o cenário de que em 2016 haverá uma queda da economia da ordem de 4,3%. Existe a possibilidade de que 2015 não tenha sido o pior ano", afirmou.

Dilma enfrenta uma contração da atividade econômica, um déficit fiscal, uma inflação de dois dígitos e desemprego crescente.

Sua popularidade está em apenas 11%, a oposição pede sua destituição, o Supremo Tribunal Eleitoral a investiga por financiamento ilegal de sua campanha à reeleição e o Congresso demora a aprovar o seu plano de ajuste.

A tudo isso se soma o mega escândalo de corrupção na Petrobras, que além de ter atingido a economia levou para a cadeia grandes empresários, banqueiros e figuras do Partido dos Trabalhadores (PT) e de seus aliados.

O PIB brasileiro retrocedeu 1,4% no quarto trimestre do ano passado em relação ao anterior. No primeiro trimestre de 2015, a contração foi de 0,8%, no segundo de 2,1% e no terceiro de 1,7%, sempre em relação aos trimestres anteriores.

O recuo da economia no 4° trimestre de 2015 foi de 5,9% em relação ao mesmo período de 2014.

lbc-dw/ll/cc/mvv